IMI Centros urbanos dominam autarquias que arrecadam mais IMI
IMI

Centros urbanos dominam autarquias que arrecadam mais IMI

O Correio da Manhã faz hoje uma compilação das autarquias que cobram mais IMI em Portugal. Lisboa, Sintra e Cascais ocupam os três primeiros lugares da lista.
Centros urbanos dominam autarquias que arrecadam mais IMI
Negócios 23 de Novembro de 2016 às 10:07

Segundo escreve o diário, os municípios portugueses estão a encaixar cada vez mais dinheiro com o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI). Em 2015, foram 1.533 milhões de euros, o que representa um crescimento de 66 milhões face a 2014 e o valor mais elevado da última década (os dados recuam até 2006).

 

7,5% desta receita é assegurada pela Câmara Municipal de Lisboa, que cobrou 115,6 milhões de euros aos contribuintes. A autarquia viu a sua receita de IMI subir 4,1% em 2016, apesar de manter a taxa de IMI no mínimo legal de 0,3%. O resto do pódio é preenchido por Sintra (52,8 milhões) e Cascais (51,2 milhões). A seguir, aparecem Vila Nova de Gaia (43,8 milhões) e Porto (43,7 milhões).

 

Essas são aquelas que mais recebem, mas entre as maiores autarquias, os maiores reforços em 2015 vieram de Aveiro (mais 38,8%), Mafra (17,1%), Matosinhos (15,7%) e Amadora (13,8%).

 

As autarquias conseguem arrecadar também receita com o IMT (Imposto sobre Transmissões Onerosas de Imóveis), tendo essa rubrica rendido 583 milhões de euros em 2015. Mais uma vez, Lisboa lidera a lista, com 174,5 milhões, um aumento de 46,2% face a 2014, nota o Correio da Manhã.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub