Defesa CEO da Boeing promete a Trump um Air Force One mais barato

CEO da Boeing promete a Trump um Air Force One mais barato

O presidente executivo da construtora aeronáutica Boeing, Dennis Muilenberg, declarou esta quarta-feira que disse ao presidente eleito dos EUA, Donald Trump, que a sua companhia pode fabricar uma nova versão do avião presidencial por menos de quatro mil milhões de dólares.
CEO da Boeing promete a Trump um Air Force One mais barato
bloomberg
Carla Pedro 21 de dezembro de 2016 às 21:44

O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, criticou a Boeing, no passado dia 6 de Dezembro, pelo elevado preço que a construtora aeronáutica estava a pedir pelo fornecimento de um novo avião presidencial, o Air Force One.

 

Na sua conta de Twitter, Trump, que assume funções no próximo dia 20 de Janeiro, defendeu que o novo Air Force One que estava a ser fabricado pela Boeing devia ser cancelado, devido aos elevados custos implicados. "A Boeing está a construir um novo 747 Air Force One para futuros presidentes. Mas os custos estão fora de controlo, acima de 4 mil milhões de dólares. Cancelar ordem", escreveu Trump num "tweet", o que levou as acções da empresa a encerrarem em baixa nessa sessão.

 

Mas o CEO da Boeing, Dennis Muilenberg, declarou esta quarta-feira ao final do dia, citado pela Bloomberg, que a empresa tem estado a negociar com Trump os custos de um novo avião presidencial e que já lhe garantiu que consegue construir um por menos de quatro mil milhões de dólares (3,84 mil milhões de euros).

 

Muilenberg esteve hoje reunido com Trump, na Florida, e afirmou depois aos jornalistas que partilha interesses comuns com o presidente eleito, estando a ser delineado um Air Force One mais barato.

 

Recorde-se que Trump também criticou o Pentágono por incluir no seu orçamento a compra de novos jumbos 747 e de os equipar com protecções como defesas anti-míssil de modo a aguentarem as ondas de choque de uma explosão nuclear.

 

Logo depois, a 12 de Dezembro, voltou a atacar as despesas do governo federal: o alvo foi a empresa de equipamento aeroespacial de defesa Lockheed Martin e em causa estava o negócio de construção do novo modelo dos F-35, cujos custos considerou estarem "fora de controlo".

 

Segundo a Bloomberg, a CEO da Lockheed Martin, Marilyn Hewson, também tinha já agendada uma reunião com Trump para esta quarta-feira. Pelas 23:25 de Lisboa, Hewson falou à imprensa e destacou ter dito ao presidente eleito que a Lockheed tem estado a realizar progressos no sentido de reduzir os custos dos seus caças F-35.

(notícia actualizada pela última vez às 23:57)


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga 22.12.2016

Lá como cá, todos mamam da teta do CONTRIBUINTE!

pertinaz 22.12.2016

É MELHOR OFERECÊ-LO !!!

pub
pub
pub
pub