Justiça CEO do Deutsche Bank em Israel detido por suspeitas de evasão fiscal

CEO do Deutsche Bank em Israel detido por suspeitas de evasão fiscal

O presidente executivo do Deutsche Bank em Israel foi detido por suspeitas em torno do IVA. Em causa estão operações que envolvem clientes do banco.
CEO do Deutsche Bank em Israel detido por suspeitas de evasão fiscal
reuters
Negócios 07 de fevereiro de 2017 às 15:28

Boaz Schwartz, responsável pela unidade do Deutsche Bank em Israel, é suspeito de ter declarado de forma errada transacções no valor de 550 milhões de novos shekels (136 milhões de euros).

 

O responsável foi detido esta terça-feira, 7 de Fevereiro, um dia depois das autoridades tributárias terem realizado buscas nos escritórios do banco, avança a Bloomberg. As buscas terão levado a apreensões de computadores e telemóveis de responsáveis do banco alemão.

 

Boaz Schwartz foi entretanto libertado, mediante medidas de coacção, acrescenta a agência de informação.

 

Em causa estão transacções realizadas por estrangeiros, residentes em Israel, que terão evitado o pagamento do IVA de 17% cobrado pelo Estado, revelou a autoridade tributária.

 

O Deutsche Bank já revelou estar a cooperar com a investigação, realçando que actua mediante a legislação em vigor.

 

O Deutsche Bank em Israel reportou receitas de nove milhões de euros, em 2015, e um resultado antes de impostos no valor de cinco milhões. No final daquele ano, o banco empregava 11 pessoas, segundo os dados que constam no relatório anual do banco, citado pela Bloomberg.

 

Este é assim mais um caso polémico que envolve o Deutsche Bank, que tem tentado recuperar a confiança dos investidores e clientes, depois de outros casos terem provocado dois anos de prejuízos devido a provisões e imparidades que o banco alemão teve de registar.

 

Em meados de Janeiro, as autoridades norte-americanas revelaram que o Deutsche Bank vai pagar 7,2 mil milhões de dólares (6,7 mil milhões de euros) para encerrar os processos judiciais derivados da venda de títulos hipotecários tóxicos nos EUA.


No último fim-de-semana, o banco comprou anúncios de página inteira nos principais jornais alemães para pedir desculpa pelos "erros sérios" cometidos nos EUA na década passada, que causaram elevados prejuízos ao maior banco alemão.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Conselheiro de Trump 07.02.2017

Ditado bem pensado:NO MELHOR PANO PANO,A NODOA CAI.A natureza diz-nos q toda a malandrade q o pequeno faz vem do grande.Acho que ninguem esta a pensar que as bodegas vindas a tona nos ultimos tempos em portugal(ladrao 44,salgado capela,varas,etc,etc)sao obras genuinas?Temos 1 genuidade: PRESCRICAO.

Anónimo 07.02.2017

Esse f P deveria entregar tudo quanto desviou e a seguir seria fuzilado.

Mr.Tuga 07.02.2017

Pede extradição para TugaLândia que safas-te....

pertinaz 07.02.2017

BOA GENTE...

Saber mais e Alertas
pub