Américas CEO do Goldman Sachs compara Trump a eclipse

CEO do Goldman Sachs compara Trump a eclipse

"Espero que a lua não tenha sido a única a projectar uma sombra ao longo do país. Passámos por uma [sombra], passaremos pela outra," escreveu o líder do banco, que já noutras ocasiões usou o Twitter para ironizar as promessas de Trump.
CEO do Goldman Sachs compara Trump a eclipse
reuters, bloomberg
Paulo Zacarias Gomes 21 de agosto de 2017 às 23:55
O presidente executivo do Goldman Sachs aproveitou o eclipse solar total desta segunda-feira, 21 de Agosto - que pela primeira vez em quase um século foi visível de costa a costa dos EUA - para aludir aos últimos momentos atravessados pelo país.

"Espero que a lua não tenha sido a única a projectar uma sombra ao longo do país. Passámos por uma [sombra], passaremos pela outra," escreveu Lloyd Blankfein (na foto) no Twitter, no que o Financial Times diz ser uma mensagem velada com um destinatário: Donald Trump. 
Instado a explicar o que queria dizer com esta mensagem, um porta-voz de Blankfein afirmou que o "tweet fala por si."

O jornal britânico recorda que Blankfein tem sido um crítico de Trump - em Junho censurou a decisão tomada pelo presidente de desvincular os EUA do Acordo de Paris para o clima, considerando que seria um "percalço para o ambiente e para a liderança dos EUA no mundo."

Uma semana depois, num tom bem mais irónico - e numa altura em que o chefe de Estado tentava impor a agenda de promessas feitas durante as eleições mas ainda longe da concretização - o CEO do Goldman perguntava: "Acabei de aterrar da China, a tentar actualizar-me... Como é que correu a 'semana das infra-estruturas'," referindo-se, em tom jocoso, aos dias em que Trump tentou passar a mensagem de investimento na construção e modernização de grandes obras. 

Há sete meses no cargo, três das principais propostas de Trump tardam em concretizar-se, nomeadamente a promessa de maior transformação feita nos últimos anos na moldura fiscal, o investimento maciço em infra-estruturas e a revogação e substituição do pacote de cuidados de saúde conhecido por Obamacare.

Vários presidentes executivos de grandes multinacionais norte-americanas distanciaram-se na semana passada de Trump e das suas declarações, em que atribuiu iguais responsabilizades a supremacistas brancos e contra-manifestantes pela violência e confrontos em Charlottesville que causaram um morto e dezenas de feridos.

A demissão desses responsáveis de dois órgãos de aconselhamento empresarial criados por Trump no arranque do mandato acabariam por levar o presidente dissolver ambos os conselhos.



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Marco Há 2 dias

Só no nosso país, é que ainda se lê noticias facçiosas, abortos ortográficos e afins, comecem a ver mais infowars.com...

Sérgio Há 3 dias

Mais um porta voz do clube de Bilderberg com azia.

ccc Há 3 dias

Este judeu não conseguiu comprar o Trump, como fez ao Obama, daí o mandar estas bocas. O Trump pelo menos não deixa o seu país desprotegido com a entrada de bandidos disfarçados de refugiados!

Anónimo Há 3 dias

Sim, mas este sujeito quer enganar quem? Dirigindo o banco que dirige, é óbvio que está mais próximo do DIABO que o próprio Trump. Aliás, o presidente norte americano deve ser um menino de coro ao pé deste.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub