Economia CES defende "uma base mais consensual" sobre diferenciação da TSU

CES defende "uma base mais consensual" sobre diferenciação da TSU

O Conselho Económico e Social (CES) defende "uma base mais consensual" sobre as propostas do Governo para a precariedade nas Grandes Opções do Plano (GOP), que incluem a diferenciação da Taxa Social Única (TSU) por tipos de contrato de trabalho.
CES defende "uma base mais consensual" sobre diferenciação da TSU
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 02 de outubro de 2017 às 20:04

Esta é uma das ideias principais que integram o projecto de parecer do CES sobre as GOP, a que a Lusa teve acesso e que irá ser discutido amanhã entre os parceiros sociais, podendo sofrer alterações.

 

"O CES considera que deve ser criada uma base mais consensual entre os parceiros sociais sobre a questão da precariedade e da segmentação do trabalho, bem como sobre as alterações propostas pelo Governo a respeito do regime dos contratos de trabalho", lê-se no documento.

 

No documento, o CES reclama "uma atenta análise do significado de cada situação de forma a encontrar uma plataforma de entendimento entre os vários parceiros sociais sobre esta matéria, a qual tem importantes repercussões na vida dos trabalhadores e no funcionamento das empresas".

 

Nas GOP, o Governo compromete-se a avançar, em 2018, com a diferenciação da taxa contributiva a cargo das entidades empregadoras em função da modalidade de contrato de trabalho, "de modo a desincentivar o recurso a relações de emprego atípicas".

 

Prevê ainda reforçar medidas "tendentes à limitação do regime dos contratos de trabalho a termo, no sentido de aumentar os níveis de contratação com base em contratos permanentes" bem como a revogação do banco de horas individual.

 

O CES critica ainda a ausência do cenário macroeconómico nas GOP2018 e sublinha que o documento é omisso em matérias importantes como é o caso das consequências do Brexit (a saída do Reino Unido da União Europeia) para a economia portuguesa ou os problemas da emigração de mão-de-obra qualificada.

 

"O documento não dá o relevo necessário às medidas para o crescimento da produtividade, na economia portuguesa, no actual contexto competitivo", lê-se ainda no projecto de parecer.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub