Banca & Finanças CGD: "Disse tudo o que tinha a dizer. Ponto por ponto. Tudo explicadinho"

CGD: "Disse tudo o que tinha a dizer. Ponto por ponto. Tudo explicadinho"

Marcelo não quer alimentar mais a polémica em torno da entrega de declarações de património da gestão da Caixa no TC. O Presidente da República lembra que a nota que publicou tem lá "tudo explicadinho" sobre a sua posição.
Marta Moitinho Oliveira 07 de Novembro de 2016 às 14:06
O Presidente da República recusou esta segunda-feira, 7 de Novembro, fazer mais declarações sobre a polémica em torno da entrega de declarações de rendimentos e património por parte dos administradores da Caixa Geral de Depósitos (CGD). "Disse tudo o que tinha a dizer. Ponto por ponto. Tudo explicadinho", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas durante uma visita a um bairro.

Questionado sobre se a nota que publicou na sexta-feira passada é suficiente para "estimular" o Tribunal Constitucional (TC), o chefe de Estado disse achar que fez "aquilo que devia fazer". E acrescentou que quando assumiu a presidência determinou que "não há porta-vozes" do Presidente e que a "única fonte de Belém" é o próprio.

"Disse exactamente o que entendia", afirmou, defendendo assim a necessidade de ser claro junto dos portugueses quanto à sua posição sobre o assunto.

A 4 de Novembro, o Presidente publicou uma nota onde defendia que "a obrigação de declaração vincula a administração da Caixa Geral de Depósitos". Além disso, Marcelo disse que cabe ao TC decidir sobre a matéria em causa. No entanto, o presidente não deixou muita margem para o Constitucional decidir de forma diferente do entendimento que o próprio tem sobre o assunto. Já que, na mesma nota, recordou que o Parlamento pode legislar no sentido de clarificar a lei, caso os juízes adoptem uma posição diferente da sua. Mais, o Presidente considerou que tanto o TC como o Parlamento devem decidir sem se sentirem condicionados por ameaças de renúncia de mandato por parte da gestão da Caixa.



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
correiaalbert Há 4 semanas

Mas, esses funcionários não nos mostram as declarações! porquê? Nós só servimos, para lhes pagar as mordomias e ordenamendos? Também temos que acompanhar, ao dia, o trabalho deles, visto o preço da mão-de-obra!

Anónimo Há 4 semanas

Penso que quem paga impostos como eu, estarim muito mais interessados em saber, quem se aproveitou dos prejuízos voluminosos da CGD. Para que nos seja reposta a diferença, antes do pagamento dos próximos impostos.

Penso que deveriam dar prioriade ao inquérito prometido.

pertinaz Há 4 semanas

MARCELO TEM SIDO EXCELENTE

APLICA A VELHA MÁXIMA DE QUE "OS LOUCOS NÃO SE CONTRARIAM"

AO MESMO TEMPO VAI DANDO UMAS CACETADAS CERTEIRAS

Anónimo Há 4 semanas

O sonhador que nao se canse porque se os 13 chinos((tc) continuarem na SORNA como nos habituou,o sonhador vai por certo ser confrontado muitas vezes com a mesma pergunta.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub