Economia CGTP avisa o Governo: “A luta vai garantidamente continuar"

CGTP avisa o Governo: “A luta vai garantidamente continuar"

O dirigente da CGTP João Torres disse este sábado que cerca de "60 mil trabalhadores" participaram na manifestação nacional da intersindical, em Lisboa, e avisou que "a luta vai, garantidamente, continuar".
CGTP avisa o Governo: “A luta vai garantidamente continuar"
Miguel Baltazar
Lusa 18 de novembro de 2017 às 19:16

João Torres, responsável da comissão executiva da CGTP, avisou este sábado, 18 de Novembro, pelas 17 horas, que cerca de "60 mil trabalhadores" participaram na manifestação nacional promovida pela intersindical, que desfilou entre o Marquês de Pombal e os Restauradores, em Lisboa. E avisou que "a luta vai, garantidamente, continuar".

 

João Torres, que falou em vez do secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, por este se encontrar afónico, sublinhou que "a luta é o motor do desenvolvimento", como demonstraram os "avanços" alcançados com os professores esta semana quanto às progressões na carreira.

 

"Há avanços, mas é curto o caminho até agora percorrido quando comparado com o muito que há para andar", frisou o dirigente sindical, defendendo que "é preciso uma reposição mais consistente de rendimentos e de direitos".

 

Entre as medidas exigidas pela CGTP estão o aumento geral dos salários em pelo menos 4%, a fixação do salário mínimo nacional em 600 euros em Janeiro de 2018, o combate à precariedade, o horário de 35 horas semanais, 25 dias úteis de férias e o fim das penalizações das reformas para quem tem pelo menos 40 anos de contribuições.

 

"É tempo de passar das palavras aos actos, de fazer opções e de garantir um novo futuro assente na valorização do trabalho e dos trabalhadores", disse.

 

João Torres sublinhou que é necessário travar a saída dinheiro "para pagar investimentos que, no essencial, apenas garantem benefícios aos accionistas" ou "para pagar a gestão danosa, como é o caso dos 850 milhões previstos no Orçamento para continuar a acudir o sector financeiro".

 

No entanto, o dirigente sindical vincou que, para além dos cortes que têm que de se verificar na despesa pública, existem verbas provenientes da receita por arrecadar.

 

"Os casos escandalosos da utilização dos 'offshores' para fugir aos impostos, as transacções financeiras que continuam ilibadas de quaisquer taxas, [...] a taxa de IRC [Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Colectivas] efectivamente pago pelas grandes empresas, que tem anos em que não chega a 7% ou os rendimentos de capital que são taxados à parte dos do trabalho e em percentagem bem inferior", exemplificou. 

 

No que respeita à legislação laboral, a CGTP defende que o Governo tem que romper com as normas da lei do trabalho, que fizeram de Portugal um dos países da União Europeia onde se verificam mais desigualdades.

 

"Os locais de trabalho não podem ser espaços interditos à efectivação dos direitos individuais e colectivos, vamos levar a liberdade de pensar, reivindicar e lutar para o interior de mais empresas", concluiu.  




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
General Ciresp Há 3 semanas

Fui perguntado quando lavava os dentes de frente para o espelho se acreditava nos 60,000 bocas abertas na cidade da borga ontem?Claro,foi bom essencialmente por 3 razoes:a cidade ficou limpa de gazes com tanta boca aberta,ao sabado 95% nao trabalha e puderam passear de borla a custa dos armenios.

Anónimo Há 3 semanas

JÁ SE PERGUNTARAM PORQUE É QUE OS JORNALISTAS E/OU OS FUNCIONÁRIOS DA RTP E DA ANTENA 1 NUNCA FAZEM GREVE ? PORQUE SERÁ ?

Do Piçalho Há 3 semanas

Fechar as escolas durante um ano, com esse dinheiro reduzia a divida .Depois abria as escolas primárias ,no ano sequinte as básicas e no outro as secundárias .Ficavamos com as dividas bastatante reduzidas e em termos de perda de benefícios ao país ficávamos melhor uma aula prática é melhor q teoria

Muleta CGTP avisa o costa! Há 3 semanas

Os contribuintes Tugas vão ser esmifrados até ao tutano para o costa poder ter o emprego de Pm.

O PCP perdeu 30% das autarquias e está a cobrá-lo ao costa, mas na realidade são os tugas que estão a ser extorquidos.

O costa irá dar à CGTP tudo, pago pelos tugas e ainda fica “bem” na foto.

ver mais comentários
pub