Orçamento do Estado CGTP exige ao PS actualização salarial e descongelamento de todas as carreiras

CGTP exige ao PS actualização salarial e descongelamento de todas as carreiras

No final de uma reunião com a direcção da bancada socialista, Arménio Carlos exige que o Orçamento do Estado para 2018 contemple o descongelamento de todas as carreiras na Função Pública, incluindo dos professores.
CGTP exige ao PS actualização salarial e descongelamento de todas as carreiras
Miguel Baltazar
Lusa 16 de novembro de 2017 às 17:54
O secretário-geral da CGTP-IN exigiu hoje, após uma reunião com a direcção da bancada do PS, que o orçamento para 2018 contemple uma actualização salarial e o descongelamento de todas as carreiras da administração pública, incluindo professores.

Arménio Carlos assumiu estas posições na Assembleia da República, no final de mais de hora e meia de reunião com o PS, a qual caracterizou como "cordial e muito frontal".

Questionado sobre as reivindicações dos professores para a contabilização de todos os anos de serviço no processo de descongelamento das suas carreiras, o secretário-geral da CGTP-IN disse acompanhar as posições preconizadas pela FENPROF (Federação Nacional de Professores) sobre essa matéria.

"Entendemos que durante nove anos, quatro meses e mais alguns dias os professores cumpriram os seus deveres e que agora é altura do Estado respeitar os direitos dos trabalhadores nessa altura, contabilizando o tempo de serviço e, desde já, prevendo no próximo orçamento [para 2018] o início da reposição dos valores que são devidos aos professores", declarou.

Em linhas gerais, Arménio Carlos defendeu a tese de que há dinheiro que pode ser poupado pelo Estado no próximo Orçamento, como, por exemplo, ao nível das parcerias público privadas (PPP), sendo "transferido para responder a problemas laborais e sociais".

"Se as propostas da CGTP-IN forem aceites, já em 2018 poderemos ter o início do processo de descongelamento, com disponibilização de verbas quer para os professores, quer para os restantes trabalhadores da administração pública, através de uma actualização anual dos salários. Não é admissível que o Estado enquanto entidade patronal continue a negar a responsabilidade e o dever perante os seus profissionais de actualizar anualmente os salários", alegou.

Arménio Carlos considerou ainda que esse sinal por parte do Estado agrava o problema do conjunto dos trabalhadores, já que, na sua perspectiva, representará um estímulo para os patrões do privado "bloquearem a contratação colectiva".

Questionado se nas suas reivindicações de descongelamento de carreiras também inclui os agentes da PSP, Arménio Carlos respondeu que a CGTP-IN entende que "todos os trabalhadores são iguais em deveres e em direitos".

"Se há desbloqueamento para uns, tem de haver para todos. Isto tem de ser feito com sensibilidade e com rigor", acrescentou.

Na perspectiva de Arménio Carlos, o actual sistema global no país continua permitir crescentes desigualdades sociais.

"Se dúvidas subsistissem, em 2016, tivemos mais mil milionários em Portugal. Há algo que está muito errado e que precisa de ser corrigido", referiu, numa alusão a um estudo sobre o número de cidadãos nacionais com mais de um milhão de euros.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Luis Há 3 semanas

Se dúvidas houvesse... é bem feito para o PS perceber que quem é ganancioso também leva. Pode ser que saiam vivos do imbróglio onde se meteram.

General Ciresp Há 3 semanas

O ministro da legionela disse q o pais esta velho,teso e doente.O d.branca disse q o pais(gerigonca)tem de se desintoxicar de tanto dinheiro q mendigam(cortar as pernas a casalinho).Tambem disse q vai por um cronometro na bicicleta,melhor optasse por 2 espelhos para ver a merda q Atraz deixa.

pub