Economia CGTP exige salário mínimo de 650 euros em 2019. UGT reitera os 615

CGTP exige salário mínimo de 650 euros em 2019. UGT reitera os 615

O líder da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP), Arménio Carlos, exigiu hoje, discursando no "maior 1.º de Maio dos últimos anos", a fixação do salário mínimo em 650 euros em Janeiro de 2019.
CGTP exige salário mínimo de 650 euros em 2019. UGT reitera os 615
Lusa
Negócios com Lusa 01 de maio de 2018 às 18:43

"Este movimento de reivindicações e luta é para continuar e ampliar", pelo que "reivindicamos o aumento dos salários de todos os trabalhadores, nos sectores públicos e privado, mas também o aumento especial do salário mínimo nacional e, assim sendo, a Comissão Executiva e o Conselho Nacional anunciam hoje a reclamação de que, no dia 1 de Janeiro de 2019, o salário mínimo nacional deve passar para 650 euros", disse Arménio Carlos.

 

O secretário-geral da CGTP falava junto à Fonte Luminosa da Alameda, em Lisboa, local onde terminou o tradicional desfile do Dia do Trabalhador, num percurso que arrancou na praça do Martim Moniz.

 

"Se quiserem [o executivo] ir por esse caminho, contam com a CGTP, se quiserem optar por outro caminho, podem contar com a oposição da CGTP", acrescentou.

 

Já Carlos Silva, líder da UGT, voltou a defender um aumento do salário mínimo nacional para 615 euros em 2019 e a necessidade do aumento dos salários na Função Pública e o descongelamento das carreiras.

 

Carlos Silva falava durante as comemorações da UGT do 1.º de Maio, que este ano decorrem em Figueiró dos Vinhos, um dos concelhos mais afectados pelo grande incêndio de Pedrógão Grande, em 2017, e onde o líder da central sindical é presidente da Assembleia Municipal, eleito pelo PS.

 

É tempo de o Governo ter um discurso mais virado para as pessoas. Já o teve, mas parece que estagnou", disse à agência Lusa Carlos Silva, considerando que é preciso "acordar o país" e "acordar o Governo" para os desafios que há pela frente.

 

Para o líder da central sindical, "até agora, a economia tem tomado conta do social", desafiando o Governo a "inverter essa tendência".

 

"Se não conseguir, que pelo menos ponha lado a lado a economia e as preocupações sociais", vincou, em declarações à Lusa.

 

A ouvir o discurso de Carlos Silva, no jardim municipal de Figueiró dos Vinhos, esteve mais de um milhar de pessoas, a maioria idosas.




pub