Orçamento do Estado CGTP defende aumento do salário mínimo e mexidas na legislação laboral

CGTP defende aumento do salário mínimo e mexidas na legislação laboral

O secretário-geral da CGTP defendeu hoje o aumento do salário mínimo nacional e a revogação das "normas gravosas" da lei laboral, acusando a Confederação Empresarial de Portugal (CIP) de ter uma "concepção retrógrada" das relações do trabalho.
CGTP defende aumento do salário mínimo e mexidas na legislação laboral
Lusa 03 de Outubro de 2016 às 09:50

Em declarações à agência Lusa, Arménio Carlos reagiu à entrevista que António Saraiva deu no domingo à Antena 1 e ao Jornal de Negócios e na qual este revelou que só aceita o aumento do salário mínimo para os 557 euros em 2017 se o Governo não mexer na legislação laboral.

 

"Temos de mexer na legislação laboral, ao contrário do que diz o presidente da CIP, que defende os seus interesses, os dos grandes empresários. A CIP continua a funcionar com uma concepção retrógrada daquilo que devem ser as relações de trabalho entre trabalhadores e empresas e também por aquilo que deve ser o futuro do país e que passa pelo progresso e justiça social", advogou.

 

Arménio Carlos insistiu também na necessidade do aumento do salário mínimo nacional no próximo ano.

 

"É inevitável o aumento do salário mínimo nacional porque ele é um instrumento de investimento com retorno que melhora os rendimentos dos trabalhadores e das suas famílias e ajuda a dinamizar a produção e a criação de emprego e os negócios das pequenas e médias empresas", sublinhou.

 

No entender de Arménio Carlos, o aumento geral dos salários é determinante para a evolução da economia.

 

"Quanto à legislação laboral, é evidente que hoje é reconhecido que, com o memorando da Troika e o acordo assinado entre as confederações patronais e o anterior governo, verificou-se que há um desequilíbrio das relações laborais, uma generalização da precariedade e aposta nos baixos salários por isso é necessário revogar as normas gravosas", explicou.

 

Segundo o secretário-geral da CGTP, é preciso pôr travão à norma da caducidade que é responsável pelo bloqueio da contratação colectiva e pelo facto de haver milhões de trabalhadores que não vêem actualizados os seus salários anualmente porque a contratação colectiva está bloqueada.

 

Em entrevista conjunta à Antena 1 e ao Jornal de Negócios, António Saraiva afirmou que a CIP só aceita o aumento do salário mínimo para os 557 euros em 2017 se o Governo não mexer na legislação laboral.

 

"A CIP está disponível para absorver um valor de salário mínimo de acordo com aquilo que possa ser a vontade do Governo, se houver a garantia real de que não há novas reversões e que estes temas que lhe disse não verão a luz do dia".

 

Esses temas são "linhas vermelhas", que o presidente da CIP considera que o Governo não pode ultrapassar, como o banco de horas e as férias, sob pena de pôr em causa a sobrevivência das empresas, chegando mesmo a colocar a hipótese de uma futura manifestação de empresários.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 03.10.2016


PS DEIXA MORRER UTENTES DO SNS... PARA DAR MAIS DINHEIRO À FP:

- PS aumenta despesa com salários da FP em 500 milhões de Euros;

- PS reduz horário da FP para 35 horas;

- PS corta orçamento dos Hospitais Públicos.

comentários mais recentes
AVerVamos 03.10.2016

Arménio Carlos ao chamar os outros de retrógradas ocorre-me de imediato o ditado popular; "Diz o roto ao nú porque não te vestes tu"..
Há muito empresário retrógada, é um facto, mas são proporcionais aos empregados retrógadas que empregam, e aos sindicatos que os representam. Ou melhor, dizem representar, porque o seu verdadeiro papel não é sindical, é partidário, agitador..Uma espécie de braço armado dos partidos da esquerda Portuguesa, sobretudo PCP e PS.

Anónimo 03.10.2016


PS DEIXA MORRER UTENTES DO SNS... PARA DAR MAIS DINHEIRO À FP:

- PS aumenta despesa com salários da FP em 500 milhões de Euros;

- PS reduz horário da FP para 35 horas;

- PS corta orçamento dos Hospitais Públicos.

pub
pub
pub
pub