Angola Chefe da diplomacia angolana diz que relações com Portugal são insubstituíveis

Chefe da diplomacia angolana diz que relações com Portugal são insubstituíveis

O chefe da diplomacia angolana garantiu hoje que as relações com Portugal são insubstituíveis, acreditando num "desfecho favorável" no caso do julgamento, em Lisboa, do ex-vice-Presidente da República Manuel Vicente, que diz ser um "problema interno de Portugal".
Chefe da diplomacia angolana diz que relações com Portugal são insubstituíveis
Lusa 22 de janeiro de 2018 às 13:00

"Nós esperamos e acreditamos num desfecho favorável para aquilo que é o nosso entendimento deste caso. Não tenho a certeza se o julgamento vai ter mesmo lugar, de qualquer modo é um problema interno de Portugal, um problema da Justiça portuguesa", disse hoje o ministro das Relações Exteriores de Angola, Manuel Augusto, na Suíça, em declarações aos jornalistas angolanos.

 

O governante acrescentou que esta terça-feira, à margem do arranque do Fórum Económico de Davos, na Suíça, o Presidente angolano, João Lourenço, deverá reunir-se com o primeiro-ministro português, António Costa.

 

"No que nos diz respeito, continuamos a acreditar que as autoridades portuguesas, principalmente as autoridades judiciais, acabarão por compreender a nossa razão", insistiu Manuel Augusto, aludindo à pretensão de ver o processo sobre Manuel Vicente - cujo julgamento arrancou hoje em Lisboa - a transitar para Luanda, à luz de acordos internacionais.

 

O chefe da diplomacia angolana manifestou a confiança em que "este episódio", que diz ser "visto de diferentes formas", "não venha a constituir-se num escolho naquilo que é um caminho harmonioso de relações entre os dois países".

 

"Que, como nós sempre dissemos, são relações importantes para nós. As relações com Portugal são relações únicas, são relações singulares, são relações que não podem nem devem ser substituídas, porque ligam-nos laços de vários tons e vários níveis. Por isso mesmo, a nossa mensagem é positiva", disse ainda Manuel Augusto.

 

O Presidente angolano avisou a 8 de Janeiro que as relações com Portugal vão "depender muito" da resolução do caso em torno do ex-vice-Presidente, Manuel Vicente, com João Lourenço a classificar a atitude da Justiça portuguesa como "uma ofensa" para Angola.

 

"Nós não estamos a pedir que ele seja absolvido, que o processo seja arquivado, nós não somos juízes, não temos competência para dizer se o engenheiro Manuel Vicente cometeu ou não cometeu o crime de que é acusado. Isso que fique bem claro", disse o Presidente da República, reafirmando a pretensão de o caso do ex-vice-Presidente ser julgado em Luanda, ao abrigo dos acordos judiciários entre os dois países.

 

"Lamentavelmente, [Portugal] não satisfez o nosso pedido, alegando que não confia na Justiça angolana. Nós consideramos isso uma ofensa, não aceitamos esse tipo de tratamento e por essa razão mantemos a nossa posição", enfatizou João Lourenço.

 

Mas, realçou, "a intenção não é livrar o engenheiro Manuel Vicente da acusação".

 

Em causa está o caso "Operação Fizz", processo em que o ex-vice-Presidente de Angola e ex-presidente do conselho de administração da Sonangol, Manuel Vicente, é suspeito de ter corrompido, em Portugal, Orlando Figueira, quando este era procurador do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), do Ministério Público, que investiga a criminalidade mais grave, organizada e sofisticada, designadamente de natureza económica.

 

O tribunal decidiu hoje separar o processo de Manuel Vicente no caso da Operação Fizz.

 

Para justificar esta separação, o tribunal alegou que se "afigura que existe um interesse ponderoso e atendível que justifica a admissibilidade da separação de processo de Manuel Vicente", dado que o arguido Orlando Figueira está sujeito a uma medida privativa da liberdade.

 

O processo do Manuel Vicente continuará, contudo, adstrito ao mesmo colectivo de juízes do tribunal criminal de Lisboa, que é presidido por Alfredo Costa.

 

A separação de processos tinha sido pedida pela procuradora do Ministério Público Leonor Machado, alegando que o procurador Orlando Figueira, também arguido no caso, está sujeito a uma medida privativa da liberdade (pulseira eletrónica).

 

Hoje, à entrada do julgamento, o advogado de Manuel Vicente tinha afirmado que lhe parecia inevitável a separação dos processos.

 

Questionado pelos jornalistas sobre o porquê da ausência de Manuel Vicente, Rui Patrício disse que o ex-vice-Presidente de Angola não comparece "porque não pode".

 

"Não comparece porque não pode. A questão da imunidade não está na disponibilidade e vontade de Manuel Vicente, é um assunto de Estado", afirmou.

 

Rui Patrício insistiu que, neste processo, Manuel Vicente não foi notificado da acusação e nem sequer chegou a ser constituído arguido.

 

O julgamento da Operação Fizz, que hoje começou, tem como arguidos o ex-vice-Presidente de Angola, Manuel Vicente, o ex-procurador Orlando Figueira, o advogado Paulo Blanco e o empresário Armindo Pires.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
TROLL 22.01.2018

porque será que não confio nestes gajos nem um bocadinho?

Pois 22.01.2018

O que tu queres é roubar e lavar dinheiro dá muito jeito a imunidade para gamar.

Não nos podemos ater apenas ao nosso umbigo 22.01.2018

Até que enfim ouço, da parte de um responsável angolano, uma afirmação aproveitável e positiva.
Angola, não obstante o seu pequeno lastro temporal, como Estado, nunca deve perder de vista a realidade e o respeito por outros Estados, como Portugal, com a sua percepção de separação de Poderes.

pub