Ásia China aplica sanções à Coreia do Norte

China aplica sanções à Coreia do Norte

Pequim anunciou que vai aplicar as sanções aprovadas no seio da ONU já a partir desta terça-feira. Até 5 de Setembro, as compras de vários produtos a Pyongyang deverão ficar reduzidas a zero.
China aplica sanções à Coreia do Norte
Negócios com Lusa 14 de agosto de 2017 às 10:54

A China, principal parceiro e apoiante da economia norte-coreana, anunciou esta segunda-feira, 14 de Agosto, a suspensão das importações de ferro, chumbo e dos minérios destes dois metais e de produtos do mar da Coreia do Norte, aplicando as sanções decididas pela ONU.

Numa medida efectiva a partir desta terça-feira, 15 de Agosto, "todas as importações de carvão, ferro, minérios de ferro e de chumbo, animais aquáticos e produtos do mar [como peixes, crustáceos, conservas, moluscos, caviar e substitutos] serão interditas", anunciou o Ministério do Comércio chinês em comunicado.

As sanções devem, de acordo com a Reuters, ser aplicadas no espaço de 30 dias depois de a resolução ter sido aprovada na ONU no passado dia 6 - ou seja, até à meia-noite de 5 de Setembro, momento em que Pequim espera cessar a importação destes produtos na sua totalidade.

Os produtos que tenham chegado aos portos antes da assinatura deste despacho serão processados, esclarece a nota da Administração das Alfândegas.

As penalizações aprovadas pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas na resolução 2371 são a resposta aos testes com dois mísseis balísticos intercontinentais, realizados no mês passado, ainda antes de a tensão entre EUA e Coreia do Norte se ter agravado nos últimos dias.

Às promessas de Pyongyang atacar a zona marítima ao largo da ilha de administração norte-americana de Guam com quatro mísseis (que potencialmente poderão carregar ogivas nucleares), o presidente Donald Trump afirmou que responderia com "fogo e fúria" e garantiu que os sistemas militares dos EUA estão carregados e prontos a disparar em caso de ameaça.

A Coreia do Norte arrisca perder cerca de mil milhões de dólares por ano em receitas de exportações com a aplicação destas penalizações, à volta de um terço das receitas totais de vendas de Pyongyang ao exterior. O comércio com a China representa 90% das trocas da Coreia do Norte com o estrangeiro.

Peritos citados pelo The Washington Post consideram no entanto que a pressão será insuficiente para que o regime liderado por Kim Jong-Un abandone o seu programa nuclear.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga 14.08.2017

E o TROGLODITA, do corte de cabelo chique, preocupado....

Por ele, o povão que usa aquelas palas bem pode morrer de fome, desde que o rapazola continue a brincar com os brinquedinhos bélicos....

Jose 14.08.2017

Será que vai existir mesmo a suspensäo na importaçäo de bens provenientes da CN!!!
Quem controla? Como sabem que väo por em pratica o que aquí é dito!!!
Hum,... A ver vamos,...
Será bluff, de forma a ganharem tempo,...
Acho estranho ainda näo existir uma manifestaçäo por parte do Kim,....

Anónimo 14.08.2017

Agora é que o maluco, com tudo perdido, vai mandar os misseis! Quer ficar na história e isto é a acha que faltava.

então o bcp desceu 30% e a pharol é que sobe 14.08.2017

ENTÃO em 8 dias MARRARAM o MILENIUM BCP 30 % para baixo então e hoje a FALIDA e INSOLVENTE PHAROL é que sobe 8% isto REALMENTE só na nossa bolsa onde a TRUMP é que sobe quem tem fartos lucros desçe 30 %

Saber mais e Alertas
pub