Mundo China promete "vingança" se Trump reatar relações com Taiwan

China promete "vingança" se Trump reatar relações com Taiwan

A líder taiwanesa aproveitou a escala de um voo para se encontrar com altos responsáveis do Partido Republicano. Pequim deixa novo aviso aos EUA e promete aumentar também a pressão económica militar sobre Taipé.
China promete "vingança" se Trump reatar relações com Taiwan
DR
António Larguesa 09 de Janeiro de 2017 às 10:46

As autoridades chinesas voltaram a deixar sérios avisos a Donald Trump, a escassos 11 dias da tomada de posse como presidente dos Estados Unidos. No epicentro da polémica está uma nova tentativa de aproximação política a Taiwan, que Pequim reclama ser parte integrante do seu território.

 

"Se Trump renegar o princípio de uma só China depois de assumir o cargo, o povo chinês vai exigir ao governo que se vingue. Não há espaço para negociação", escreveu em editorial o jornal estatal Global Times, insistindo que este não é um "pedido caprichoso" a Washington, "mas uma obrigação dos presidentes dos EUA para manter as relações" bilaterais e para "respeitar a ordem existente na [região da] Ásia-Pacífico".

 

Esta reacção por parte da publicação controlada pelo Partido Comunista Chinês surge poucas horas depois da presidente taiwanesa ter tido contactos directos com alguns altos responsáveis do Partido Republicano durante uma escala em Houston. Um desses encontros, entre Tsai Ing-wen e o governador do Texas, foi mesmo documentado numa fotografia partilhada pela conta oficial de Greg Abbott no Twitter.

 

 

Nesta paragem a caminho da América Central, onde irá visitar Honduras, Nicarágua, Guatemala e El Salvador – no regresso, a 13 de Janeiro, fará nova escala em São Francisco –, a líder de Taiwan falou ainda ao telefone com o senador republicano John McCain e encontrou-se com Ted Cruz. Em comunicado, o político texano assinalou que a China "tem de compreender que a América toma por si própria as decisões sobre encontros com visitantes". "Isto não é sobre a China. Isto é sobre a relação dos EUA com Taiwan, um aliado que estamos legalmente obrigados a defender", acrescentou.

 

Já esta segunda-feira, 9 de Janeiro, o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Lu Kang, reforçou, citado pela Reuters, que Pequim "opõe-se firmemente a que líderes da região de Taiwan tenham qualquer forma de contacto com as autoridades americanas e participem em actividades que interfiram e prejudiquem as relações entre a China e os EUA".

 

A tensão entre os dois gigantes, a propósito deste mesmo tema diplomático, já tinha aumentado no início de Dezembro quando Trump decidiu aceitar um telefonema da líder taiwanesa para o felicitar pela vitória nas eleições de 8 de Novembro do ano passado. Essa ligação telefónica foi mesmo o primeiro contacto oficial entre os presidentes dos dois países desde 1979.

 

É que, desde o restabelecimento das relações bilaterais no final da década de 1970, Washington passou a reconhecer a China como território único e interrompeu as ligações diplomáticas com Taiwan, embora sempre tenham mantido laços informais. A China defende a "reunificação pacífica" com Taiwan e promete "usar a força, se necessário", caso aquele território decida declarar a independência.

 

Com base nesse cenário de declaração formal de independência, a líder taiwanesa é também directamente visada no mesmo editorial do jornal oficial Global Times. Tsai Ing-wen é avisada que "precisa de encarar as consequências de cada passo provocatório que dá", nomeadamente através de um aumento das pressões diplomáticas, económicas e militares sobre Taipé.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
00SEVEN Há 1 semana

Faz-me lembrar os protagonistas de luta livre!
Quando se encontram em público desatam a insultarem-se e a prometerem esmurrarem-se no encontro de "logo à noite"!
Só publicidade para chamar a atenção!
Dentro das cordas são os truques do costume!

depois dos americanos o imperalismo Chinês Há 1 semana

a China pratica a lingua de pau revendica tudo e faz doping comercial tem um excedente comercial com quaze todos os paises està a colonizar todos os paises africanos incluindo os lusofones em Portugal tem uma armada de chineses a venderem produtos deles com o excedente compra empresas estratégicas

Ciifrão Há 1 semana

A China e os EUA estão condenados a entenderem-se, sem o comércio que os une as economias entravam em forte depressão.

pub
pub
pub
pub