Angola Chineses com vida complicada em Angola com meses de remessas em atraso

Chineses com vida complicada em Angola com meses de remessas em atraso

Empresários e trabalhadores chineses em Angola estão há vários meses sem conseguir enviar lucros e remessas para a China, cenário agravado pela crise e com impacto ainda na importação de produtos, informou o presidente da Câmara de Comércio Angola/China.
Chineses com vida complicada em Angola com meses de remessas em atraso
Lusa 12 de maio de 2017 às 09:47

Em declarações à Lusa, Arnaldo Calado admitiu que a situação tem vindo a merecer atenção das autoridades e instituições financeiras angolanas, tendo em conta a relevância da comunidade chinesa em Angola, igualmente afectada pela falta de divisas e a crise generalizada no país, o maior produtor de petróleo em África.

 

"Temos dificuldades muito grandes, mas estamos a trabalhar com as autoridades, com o Ministério das Finanças, o Banco Nacional de Angola e mesmo com os bancos comerciais, no sentido de minimizar o impacto que esta medida [limitações no acesso a divisas] tem causado aos empresários chineses, sobretudo na aquisição dos meios de reposição, meios de construção e meios de comercialização", disse.

 

Estima-se que cerca de 200.000 chineses estejam instalados em Angola e de acordo com a Câmara de Comércio Angola/China mais de 1.000 empresas chinesas operam no país.

 

De acordo com Arnaldo Calado, as dificuldades no envio de remessas "é ainda pior" para os trabalhadores chineses e já atingiu "níveis de preocupação".

 

"Estes chineses que vocês estão a ver aí estão todos chateados porque estão há muitos meses sem receber e sem enviar dinheiro para as suas famílias na China, e a níveis que preocupam já, porque eram só os trabalhadores de base. Agora já atingiu outros níveis", explicou.

 

A China afirmou-se como o principal investidor em Angola, depois do fim da guerra civil naquele país africano, em 2002, tendo concedido nos últimos 10 anos empréstimos e linhas de crédito ao Governo angolano de mais de 15 mil milhões de euros, segundo números oficiais.

 

Para Arnaldo Calado, é mesmo a linha de crédito de mais de quatro mil milhões de euros que a China atribuiu a Angola em 2015 que, em altura de crise, "está a fazer funcionar" o país.

 

A prevista abertura em Angola de uma sucursal do Banco da China é para o dirigente outra demonstração do interesse chinês.

 

"Ter um banco com o calibre como o do Banco da China é uma mais-valia e se vai ter o desempenho e cobrir a expectativa que todos nós criámos à sua volta, isso vai depender de nós, com ideias e transformar as mesmas em negócios. Em suma, o banco vai contribuir para o engrandecimento do empresariado nacional", vaticinou.

 

A anunciada intenção de reconhecimento mútuo das moedas da China e Angola - mas ainda sem qualquer prazo oficial -, segundo o dirigente, é um caminho que está a ser "explorado minuciosamente", com o propósito de não criar "quaisquer colapsos" no sistema financeiro angolano.

 

"Porque o sistema financeiro não admite improvisações, uma improvisação poder colapsar todo o sistema angolano, por isso reafirmo a prudência do ministro das Finanças nesse particular. Está a ser muito prudente, tomando medidas de acordo com os passos que se devem dar tempo a tempo", afirmou.

 

Há um ano à frente dos destinos da Câmara de Comércio Angola/China, o economista angolano disse que, tirando as empresas petrolíferas e diamantíferas angolanas que operam no mercado chinês, encontram-se igualmente naquele país asiático "pequenos escritórios de representação e de actividades comerciais de angolanos".

 

O responsável recordou ainda que as acções da cooperação chinesa continuam visíveis em Angola e realçou o peso da China na economia angolana.

 

"Não consigo vislumbrar nos últimos meses nenhuma obra a funcionar sem a presença chinesa, as acções são visíveis em todo território nacional", realçou.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Conselheiro de Trump 12.05.2017

Secalhar e assim,o petroleo baixo tramou nao so os exportadores mas tambem os consumidores:eles estao desgracados,e nos desgracados estamos.Nem aqui o consumidor consegue tirar proveito do baixo preco do petroleo.Secalhar melhor seria que sacrificassem so o consumidor,nesses termos nao perdiam todos

pub