Ambiente Chovem apelos para que Trump não rasgue o acordo do clima

Chovem apelos para que Trump não rasgue o acordo do clima

Os líderes mundiais e de grandes empresas renovaram ontem em Marraquexe os apelos para que Donald Trump respeite o Acordo de Paris, que estabelece um conjunto de metas para limitar o aquecimento global.
Chovem apelos para que Trump não rasgue o acordo do clima
Jonathan Ernst/Reuters
Bruno Simões Lusa 16 de Novembro de 2016 às 21:32
Os receios de que Donald Trump rasgue o compromisso dos Estados Unidos para limitar o aquecimento global, ratificado no Acordo de Paris, voltaram a manifestar-se esta quarta-feira. Durante a Conferência da ONU sobre as Alterações Climáticas, que decorre em Marraquexe (Marrocos), o ainda secretário de Estado, John Kerry,  e os líderes de grandes empresas pediram para que o novo presidente americano cumpra o acordo.

John Kerry garantiu que "os Estados Unidos estão hoje no bom caminho para atingir os objectivos internacionais que foram fixados". Confrontado com as declarações de Trump, que já disse que o aquecimento global é um embuste, Kerry diz que acha que o novo presidente não vai recuar. "Não penso que isto possa ser revertido", começou por dizer. Depois, mostrou-se esperançoso de que Trump fique mais moderado neste tema. "Algumas questões têm um aspecto diferente quando se está no poder", rematou.

Também a partir de Marraquexe, os líderes de 360 grandes empresas, maioritariamente norte-americanas (como a Gap, Hewlett Packard, Kellog, Hilton ou Nike), enviaram uma carta a Donald Trump a pedir que este respeite o Acordo de Paris. "Apelamos aos eleitos norte-americanos para apoiarem firmemente a continuação das políticas (de redução de emissões de gases com efeitos de estufa) para permitir aos Estados Unidos cumprirem os seus compromissos", lê-se no apelo público divulgado à margem da conferência do clima promovida pela ONU.

Os chineses também estão atentos a Trump. O vice-ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Liu Zhenmi, garantiu que a posição do Presidente norte-americano eleito, Donald Trump, quanto ao Acordo de Paris sobre as alterações climáticas "não afectará os compromissos" internacionais da China nesta matéria. Em Marraquexe, o governante indicou que numa conversa telefónica mantida na segunda-feira com Trump, o Presidente chinês, Xi Jinping, "lhe propôs manter a estreita cooperação que tem existido entre os dois países em matéria de combate às alterações climáticas nos últimos anos".

Embora acrescentando que Xi não obteve uma resposta de Trump, o vice-ministro chinês pediu cautela e alguns meses "para ver qual é a atitude do Presidente eleito a respeito da acção climática" e manifestou confiança em que "a principal potência económica do mundo não volte a repetir a atitude que teve no passado em relação ao Protocolo de Quioto", que assinou e depois não ratificou.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub