Economia Cimeira ibérica: Ministro do Planeamento fala em novas obras, mas garante "pés assentes no chão"

Cimeira ibérica: Ministro do Planeamento fala em novas obras, mas garante "pés assentes no chão"

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas adiantou esta segunda-feira que entre Portugal e Espanha estão a ser ultimadas várias novas obras nesta área, mas assegurou "pés assentes no chão" e recurso a instrumentos comunitários de apoio.
Cimeira ibérica: Ministro do Planeamento fala em novas obras, mas garante "pés assentes no chão"
Bruno Simão/Negócios
Lusa 29 de maio de 2017 às 16:50
"São obras para ser financiadas com fundos comunitários, para que melhorem a situação económica, mas mantendo o equilíbrio orçamental" de Portugal e Espanha, declarou o ministro do Planemento português, Pedro Marques, falando a bordo de uma embarcação no rio Douro, no primeiro de dois dias de cimeira entre Portugal e Espanha.

O governante falou das ligações ferroviárias entre Porto e Vigo, da linha da Beira Alta e do corredor Sines-Caia, mas destacou também, a nível rodoviário, o troço final da A25 e uma "obra de requalificação" da ponte sobre o rio Guadiana.

"Estas obras impulsionarão mais crescimento económico nos dois países", mas são feitas "com os pés assentes no chão", até devido à situação económica e financeira de ambos os países, prosseguiu.

A 29.ª cimeira Portugal/Espanha é dedicada à cooperação transfronteiriça em áreas como energia, infraestruturas e ambiente e começou com uma viagem no Douro.

Pelas 12:35 de Portugal (mais uma hora em Espanha), a embarcação com as duas comitivas partiu de Vega Terrón, no lado espanhol, perto da fronteira portuguesa e de Figueira de Castelo Rodrigo, no distrito da Guarda.

A comitiva espanhola, encabeçada pelo primeiro-ministro, Mariano Rajoy, esperou em Salamanca pela delegação portuguesa, que aterrou esta manhã na base aérea da cidade espanhola, deslocando-se posteriormente para uma a viagem no Douro a bordo de um navio, que assinalou o arranque oficial dos trabalhos.

A bordo, houve já, pelas 15:30, várias reuniões sectoriais entre os diversos ministros dos executivos de Portugal e de Espanha, entre os quais se encontram os titulares de pastas como Negócios Estrangeiros, Infraestruturaras, Ambiente ou Defesa.

À noite, haverá um jantar reservado, em Vila Real, para finalizar o primeiro dia de trabalhos.

Na terça-feira, as delegações reúnem-se no palácio de Amarante de Vila Real, começando o dia com um encontro empresarial e intervenções dos chefes dos governos de Portugal e Espanha, respectivamente António Costa e Mariano Rajoy.

Depois, as comitivas partem para a Casa de Mateus, onde decorrerá a reunião plenária dos governantes, estando agendada para o final da manhã a conferência de imprensa final dos trabalhos e o encerramento da 29.ª cimeira ibérica.

As cimeiras ibéricas são reuniões anuais bilaterais realizadas entre o presidente do Governo de Espanha e o primeiro-ministro de Portugal nas quais se discutem questões de interesse para ambos os governos e projectos de cooperação entre os dois países.

Esta é a primeira reunião do género com António Costa como chefe do Governo de Portugal, já que em 2016 não decorreu a cimeira devido à conjuntura política de Espanha, na altura com um executivo de gestão.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 29.05.2017

E a conclusão da A28 até Melgaço? Para quando?

Conselheiro de Trump 29.05.2017

Quantos % tem de crescer a economia portuguesa para manter este merdas e outro da mesma Ceita:num pais rico nao chegam a 20,na gerigonca ultrapassa os 60.Parece q estou a ver os bocas abertas daqui por algum tempo dizerem:como e q fomos enganados pelo presidente do euroBURRO mimico aritmetico.Milagr

pub