Economia Cinco estações do Metropolitano de Lisboa abertas à noite para acolher sem-abrigo

Cinco estações do Metropolitano de Lisboa abertas à noite para acolher sem-abrigo

Cinco estações do Metropolitano de Lisboa - Rossio, Intendente, Saldanha, Oriente e Colégio Militar - vão estar abertas à noite, a partir de terça-feira, para acolher sem-abrigo devido às baixas temperaturas, informou hoje a Câmara Municipal.
Cinco estações do Metropolitano de Lisboa abertas à noite para acolher sem-abrigo
Bruno Simão/Negócios
Lusa 16 de janeiro de 2017 às 21:04

A partir de terça-feira, "e enquanto se registarem estas temperaturas abaixo dos três graus, estarão abertas, durante o período da noite, a estação do Metro do Rossio, do Intendente, do Saldanha, da gare do Oriente e do Colombo [Colégio Militar/Luz]", disse à agência Lusa o vereador da Protecção Civil, Carlos Manuel Castro.

 

A Câmara de Lisboa vai accionar, a partir de terça-feira, 17 de Janeiro, o plano de contingência para os sem-abrigo, devido ao tempo frio, sendo distribuídas refeições quentes, alimentos e agasalhos no Pavilhão do Casal Vistoso, foi hoje divulgado.

 

A decisão resulta de reuniões tidas esta segunda-feira com "vários serviços do município" e "também com a Santa Casa da Misericórdia", indicou Carlos Manuel Castro à Lusa, acrescentando que, desses encontros, emergiu também a decisão de solicitar à administração do Metropolitano que mantenha cinco estações abertas durante a noite, quando normalmente encerram à 01:00 e abrem às 06:30.

 

Em causa estão as previsões do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), que apontam para uma acentuada descida das temperaturas entre terça e quarta-feira, com valores entre os zero e os quatro graus centígrados em todo o país.

 

Em comunicado, a autarquia precisa que o Plano de Contingência para as Pessoas Sem-Abrigo Perante o Frio, que é activado quando se registam, pelo menos, dois dias consecutivos com temperaturas mínimas abaixo de três graus, estará em vigor a partir do final da tarde.

 

O município acrescenta que no Pavilhão do Casal Vistoso estará em funcionamento o Dispositivo Integrado de Apoio aos Sem-Abrigo (DIASA).

 

A partir de terça-feira "ao final da tarde, já teremos tudo a funcionar no pavilhão do Casal Vistoso, à imagem do que tem sucedido nas ações [de anos] anteriores, e teremos todas as entidades envolvidas neste plano", explicou o vereador.

 

Segundo o autarca, estão abrangidas "cerca de 20 instituições, entre serviços da Câmara, Santa Casa da Misericórdia e outros parceiros".

 

"Hoje mesmo, já as equipas que trabalham com a população sem-abrigo vão informar as pessoas de que amanhã [terça-feira] têm à sua disposição, no pavilhão do Casal Vistoso, um local onde serão servidas refeições quentes e também serão distribuídos agasalhos", acrescentou.

 

Também aí, os sem-abrigo "serão encaminhados para locais onde podem pernoitar: espaços da Santa Casa, do município e outros", adiantou o responsável pelo pelouro da Protecção Civil.

 

Questionado sobre o tempo de vigência do Plano de Contingência para as Pessoas Sem-Abrigo Perante o Frio, Carlos Manuel Castro apontou que, de acordo com as actuais previsões, "ficará [activo] até sábado".

 

Porém, "teremos de monitorizar as temperaturas e, portanto, a cada dia (...) faremos uma avaliação e manteremos o plano activo o tempo que for necessário", concluiu.

 

As temperaturas vão descer entre quatro e nove graus Celsius a partir de quarta-feira em Portugal continental, devido a uma massa de ar fria e seca.


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 16.01.2017

E o deputado que protege os animais não reage contra esta situação?
Afinal onde estamos, gestores da miséria alheia?

Anónimo 16.01.2017

A história é feita pelos vencedores. No caso português, os chamados vencedores apropriaram-se da máquina do Estado e moldaram o País à sua medida, colocando Portugal e milhões de Portugueses ao nível da indigência. Não ter ninguém que cuide de nós, é pior que ser escravo....

pub