Economia CNBC: Centeno diz que fará tudo para evitar segundo resgate

CNBC: Centeno diz que fará tudo para evitar segundo resgate

Em entrevista à estação de televisão, o ministro das Finanças insiste que está comprometido com a Comissão Europeia no cumprimento das metas orçamentais e sublinha os esforços do país para "estabilizar o sector financeiro".
CNBC: Centeno diz que fará tudo para evitar segundo resgate
Miguel Baltazar
Negócios 12 de setembro de 2016 às 10:34

O ministro das Finanças português admite que fará tudo o que for necessário para evitar um segundo resgate, segundo a cadeia televisiva norte-americana CNBC, que entrevistou Mário Centeno durante o fim-de-semana em Bratislava, à margem do encontro dos ministros das finanças da Zona Euro.

 

"Vai fazer tudo o que for necessário para evitar que Portugal tenha um segundo resgate?", perguntou a jornalista da CNBC, colocando o principal foco do político português precisamente em evitar que o país seja forçado a pedir nova assistência financeira à troika. "Essa é a minha principal tarefa. O compromisso que temos na frente orçamental e na redução da despesa pública é precisamente nessa direcção", respondeu Centeno, citado pela CNBC.
 

Mário Centeno assinalou ainda que é "apenas parcialmente verdade" que o Governo português esteja focado no consumo. Explica que há "um foco substancial na recuperação de rendimentos, especialmente para as famílias", mas garante que está também "a direccionar a sua política para as empresas e para o investimento". E afirmou-se "comprometido" com as metas estabelecidas com Bruxelas, dizendo que desde o início do ano tem estado a ajustar o Orçamento em função dessas expectativas.

 

"Temos um programa muito ambicioso que visa ajudar a recapitalizar as empresas. Estamos a fazer muitos esforços para estabilizar o nosso sector financeiro, o que é crucial para o investimento e para o crescimento da economia", assinalou o ministro, considerando "uma percepção errada" a de que o actual Governo português não está comprometido com um plano de reformas.

 

Na entrevista à CNBC, Centeno faz ainda a defesa do plano de recapitalização da Caixa Geral de Depósitos acordado com Bruxelas, que envolve "um plano de negócios muito ambicioso e uma equipa de gestão muito profissional". Parte do plano prevê a emissão de dívida com elevado grau de subordinação, a colocar junto de investidores privados, e o ministro confia que "o mercado vai entendê-la como uma operação muito ambiciosa e orientada para o mercado".

"Estamos confiantes em levantar os 500 milhões de dívida subordinada [da primeira emissão, para perfazer mil milhões] que temos de ir buscar ao mercado", acrescentou.




A sua opinião115
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 12.09.2016

As voltas que a vida dá! Em apenas um ano chegamos a este ponto de se falar na hipotese de novo resgate. É bem feito para os que votaram nos tres partidos que nos desgovernam!!!

comentários mais recentes
Anónimo 13.09.2016


Comemorações Oficiais

FP – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES DO PRIVADO

CORRIGIR AS INJUSTIÇAS QUE ALGUNS QUEREM PERPETUAR

As reformas mais antigas são as mais elevadas porque tiveram fórmulas mais favoráveis.
São também aquelas em que as pessoas se reformaram/aposentaram com menos idade.
Por isso devem ter os maiores cortes.

Ex: Muitas pessoas reformaram-se/aposentaram-se com 36 anos de descontos e 54 de idade.
Ou seja, muitas dessas pessoas vão estar mais anos a receber a pensão, do que os anos que trabalharam e descontaram.
Basta que vivam até depois dos 90 anos, o que se verifica com cada vez mais pessoas.

Pergunta: Estas pessoas fizeram descontos suficientes para terem a pensão que recebem?

Resposta: Não, nem para metade.

Anónimo 13.09.2016


PS ROUBA OS TRABALHADORES DO PRIVADO

EMIGRAÇÃO FORÇADA

Os Portugueses foram obrigados a emigrar devido à bancarrota do Socrates! …

e ao brutal aumento de impostos, ordenado pelo TC, para sustentar os privilégios da FP e seus pensionistas.

(claro que os xux.as e FP tentam esconder esta realidade)

Anónimo 13.09.2016

AO PONTO QUE A MANIPULAÇAO CHEGOU PARA TEReEM A LATA DE CRITICAR QUEM DISSE QUE TUDO FARA PARA EVITAR UM SEGUNDO RESGATE . COM SE NAO EVITA-LO É QUE FOSSE A IDEIA CERTA.
ENFIM AGORA JA SE CONSEGUE MOSTRAR INDIGNAÇÃO E SER NOTICIA QUANDO ALGUEM DIZ:
AQUELE PANO BRANCO É A ESCURIDÃO TOTAL, E O REBANHO DEVRÁ ACREDITAR NAS PALAVRAS SABIAS DOS JORNALISTAS DE ALGIBEIRA

Anónimo 13.09.2016

Onde já vimos este filme ?
Alguém em tempos também nos contou a mesma história até não poder mais, depois em desespero bateram á porta do FMI.

ver mais comentários
pub