Eleições Coligação de direita no Governo reeleita na Noruega

Coligação de direita no Governo reeleita na Noruega

A coligação governamental de direita da primeira-ministra conservadora, Erna Solberg, ganhou esta segunda-feira as eleições legislativas na Noruega, com 49,9% dos votos, segundo uma sondagem difundida pela televisão pública NRK.
Coligação de direita no Governo reeleita na Noruega
Reuters
Lusa 11 de setembro de 2017 às 22:23

Os quatro partidos de direita terão obtido 88 dos 169 lugares no Storting (parlamento) frente aos 81 do bloco opositor, encabeçado pelo líder trabalhista, Jonas Gahr Støre.

 

Com esta projecção, o Partido Trabalhista, o mais votado desde 1924, manteria a sua condição de principal força política, apesar de perder votos em relação a eleições anteriores, obtendo 27,3% dos votos e 50 deputados, à frente do Partido Conservador de Solberg, com 26,2% e 49 eleitos.

 

Segundo esta sondagem, a direita continuaria no poder, apesar de perder cinco pontos e ter menos oito deputados.

 

O Partido do Progresso, uma formação de tendência xenófoba que governa em coligação com os conservadores, continuaria a ser a terceira força mais votada, com 15,7% e 29 deputados, um resultado muito similar ao de há quatro anos.

 

As outras forças do bloco governamental e que garantiram a maioria ao executivo na passada legislatura - liberais e democratas-cristãos - deverão ter ficado mesmo por cima dos quatro por cento, com dez lugares entre as duas, nove menos que nas últimas eleições.

 

A queda dos trabalhistas, de quase quatro pontos percentuais, seria compensada pela subida dos seus aliados, o Partido do Centro, que terá alcançado 9,4% e 17 lugares, e o Partido da Esquerda Socialista, com 5,7% e 11 mandatos.

 

Tanto os Verdes como os comunistas ficariam abaixo dos 4%, mas conseguiriam um deputado cada um através dos votos pessoais.

 

Outro prognóstico difundido pelo canal privado TV2 aumenta a distância a favor da direita, que obteria 91 lugares.

 

As sondagens difundidas nos últimos dias apontavam para uma equivalência entre os dois blocos, com uma ligeira vantagem para a direita, um panorama em que os indecisos e o papel dos pequenos partidos se anunciavam decisivos.

 

A direita superou nas primeiras semanas de campanha a clara vantagem que o bloco opositor tinha alcançado nos meses anteriores, apesar de sondagens mais recentes terem apontado para uma recuperação do centro-esquerda.

 

A subida da coligação governamental coincide com a recuperação económica da Noruega, principal exportador de petróleo e gás da Europa ocidental e que sofreu com a queda dos preços do crude no outono de 2014.

 

Além disso, Solberg desperta maior confiança, segundo os mesmos estudos, liderando um executivo em minoria, e pela primeira vez na Escandinávia, com uma força de ultradireita em coligação.

 

A campanha foi dominada por temas como os impostos, o bem-estar, a imigração e o meio ambiente. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub