Mundo Com ventos de 215 km/hora, furacão Irma ameaça Caraíbas e Florida

Com ventos de 215 km/hora, furacão Irma ameaça Caraíbas e Florida

O furacão Irma foi reclassificado como de categoria 4 (numa escala de 5) devido aos fortes ventos que ameaçam as Caraíbas e o Estado americano da Florida, anunciou o Centro de Furacões dos EUA.
Com ventos de 215 km/hora, furacão Irma ameaça Caraíbas e Florida
Reuters
Lusa 05 de setembro de 2017 às 00:35

Com ventos a rondar os 215 quilómetros por hora, o Irma está a encaminhar-se para as Ilhas de Sotavento (entre as Ilhas Virgens e Trinidad, nas Antilhas), devendo intensificar-se ainda mais nos próximos dois dias, avisou o Centro de Furacões, sediado em Miami.

 

O Centro (NHC, na sigla em Inglês) acrescenta que é preciso "intensificar os preparativos para proteger vidas e bens" ameaçados pelo Irma, que deverá atingir território norte-americano na quarta-feira.

 

Diversas ilhas da região, entre as quais Porto Rico e Antilhas, estão em estado de alerta máximo devido à ameaça do Irma, poucos dias após a passagem de Harvey, que provocou grandes estragos na costa sul dos Estados Unidos.

 

A trajectória do Irma ainda é incerta, mas várias projecções colocam o Haiti, a República Dominicana e Cuba no seu trajecto, antes de se dirigir para o norte, em direcção ao Estado da Florida e, depois, eventualmente, para a Costa Leste dos EUA.

 

No Haiti, as autoridades lançaram um primeiro nível de alerta, avisando para "ameaças de fortes chuvas, fortes ventos, fortes ondulações, riscos de deslizes de terras e inundações", segundo um comunicado da protecção civil.

 

Alertas de furacão foram também emitidos para as ilhas de Antígua e Barbuda, Anguilla, Montserrat, Saint Kitts et Nevis, Saint Martin, Saint Barthélemy, Saba e Saint Eustache, onde a passagem do Irma é esperada nas próximas 36 horas.

 

O NHC já vaticinou que o Irma poderá provocar um aumento de até três metros no nível normal do mar e chuvas de até 25 cm, além de ondas "grandes e destrutivas".




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Camponio da beira Há 2 semanas

Até me admira como não usaram os incendios cá para aumentar os combustiveis e a taxa de 9,1 centimos por litro que pagamos nos combustiveis para não se pagarem portagens nas Scut

pub
pub
pub
pub