Defesa Comissão de Assuntos Europeus cancela audição de ministros sobre defesa comum

Comissão de Assuntos Europeus cancela audição de ministros sobre defesa comum

A comissão parlamentar de Assuntos Europeus decidiu cancelar a audição, prevista para quarta-feira, dos ministros dos Negócios Estrangeiros e da Defesa sobre a adesão de Portugal à cooperação estruturada permanente da defesa e da segurança.
Comissão de Assuntos Europeus cancela audição de ministros sobre defesa comum
Bruno Simão/Negócios
Lusa 05 de dezembro de 2017 às 22:58

Fontes parlamentares adiantaram à agência Lusa que a comissão considerou que o Governo não lhe enviou a informação que os deputados tinham pedido, nomeadamente o plano de implementação da participação portuguesa na cooperação estruturada permanente (CEP), mecanismo europeu ao qual Portugal vai aderir no próximo dia 11.

 

A deliberação foi tomada em reunião da mesa e coordenadores da comissão parlamentar, com a presença do PSD - que votou contra a realização da audição -, do PS - que se absteve - e do Bloco de Esquerda - que defendeu que a audição deveria ser mantida.

 

Hoje de manhã, a comissão de Assuntos Europeus analisou os documentos enviados pelo Governo ao parlamento sobre a CEP e os representantes do PSD, CDS-PP e Bloco de Esquerda consideraram que faltava informação.

 

Ao início da tarde, a comissão parlamentar pediu ao Governo que enviasse o plano nacional de implementação.

 

Contactado pela Lusa, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, disse ter "pena" de não poder ser ouvido pela comissão de Assuntos Europeus, mas manifestou a sua "total disponibilidade", bem como o ministro da Defesa Nacional, José Azeredo Lopes, para "prestar todas as informações e esclarecimentos, sempre que a Assembleia da República assim o entender".

 

Santos Silva notou ainda que a comissão parlamentar decidiu cancelar a audição dos governantes ainda antes de receber a resposta do Governo, que, disse cerca das 19:30, estava a ser enviada. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub