Política Comissão de inquérito da CGD não vai discutir demissão de António Domingues

Comissão de inquérito da CGD não vai discutir demissão de António Domingues

A esquerda foi contra o presidente da comissão de inquérito e recusou os requerimentos para ouvir Domingues e Centeno sobre a demissão do gestor.
Comissão de inquérito da CGD não vai discutir demissão de António Domingues
Miguel Baltazar
Diogo Cavaleiro 20 de dezembro de 2016 às 19:19

A comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos não vai discutir a demissão de António Domingues. Nem o presidente demissionário nem o ministro das Finanças. A esquerda chumbou.

 

"A minha decisão foi revogada", ditou José Matos Correia, o presidente social-democrata que lidera a comissão de inquérito, após a audição de Bagão Félix.

 

O PSD quis chamar Domingues e Centeno para falarem sobre a demissão. O presidente da comissão aceitou o requerimento. Mas esbarrou na esquerda, que defende que o inquérito parlamentar tem um objecto: as causas da capitalização de 5,16 mil milhões de euros; a demissão é posterior.

 

O PS apresentou um recurso. "O requerimento [do PSD] é nulo por violar o objecto da comissão", argumentou o socialista João Galamba. Ao seu lado estiveram Miguel Tiago, do PCP, e Moisés Ferreira, do BE. Contra, o CDS, com João Almeida a dizer que a demissão do presidente da CGD deveria constar da comissão de inquérito que se debruça sobre o banco.

 

As audições a Centeno e Domingues (que seriam as segundas de cada um no inquérito parlamentar) na comissão de inquérito foram chumbadas. Mas esta mesma terça-feira foram aprovadas as idas de ambos ao Parlamento, mas à comissão de Orçamento e Finanças por proposta do PS. Os socialistas justificam esta convocatória com o facto de esta ser a comissão permanente que analisa o banco estatal e que não tem um objecto limitado.

 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 20.12.2016

O que convém, é que ele se vá embora e depressa!

pub
pub
pub
pub