União Europeia Comissão Europeia melhora previsões de crescimento para a Zona Euro

Comissão Europeia melhora previsões de crescimento para a Zona Euro

O PIB da Zona Euro deverá crescer mais uma décima do que o previsto anteriormente, de acordo com as novas estimativas da Comissão Europeia, publicadas esta segunda-feira.
Nuno Carregueiro 13 de fevereiro de 2017 às 10:25

A Comissão Europeia melhorou as estimativas de crescimento para a Zona Euro, apontando agora para uma expansão do PIB de 1,6% este ano e 1,8% em 2018. Nas anteriores previsões, Bruxelas antevia um crescimento de 1,5% para este ano e 1,7% para 2018.

A melhoria de uma décima reflecte o crescimento mais robusto previsto para as principais economias da Zona Euro, com Bruxelas a destacar que pela primeira vez em quase uma década está a estimar variações positivas no PIB de todos os países da UE para o período das projecções (2016 a 2018).

 

A Grécia era até aqui o único país da UE no vermelho, mas depois do recuo do PIB de 0,2% em 2015, terá registado um ligeiro crescimento de 0,3% no ano passado e deverá crescer 2,7% este ano e 3,1% no próximo.

 

"Tendo dado provas de solidez perante os desafios globais do ano passado, a recuperação económica da Europa deverá prosseguir este ano e no próximo: pela primeira vez numa década, prevê-se que as economias de todos os Estados-Membros da UE cresçam ao longo de todo o período das previsões (2016, 2017 e 2018)", assinala o relatório da Comissão Europeia com as novas projecções.

 

Para o conjunto da União Europeia a 28, Bruxelas estima que, depois de um crescimento de 1,9% em 2016 (no outono calculava que a UE terminaria o ano com 1,8%), a economia cresça 1,8% em 2017 (contra 1,6% das anteriores projecções) e mantenha o mesmo ritmo em 2018 (neste caso, uma ligeira revisão em baixa, pois em Novembro previa 1,9% para o próximo ano).

 

Apesar da melhoria das previsões, a economia na Zona Euro deverá abrandar ligeiramente este ano, já que em 2016 o PIB cresceu 1,7%. Destaque para a Alemanha, que deverá abrandar de 1,9% em 2016 para 1,6% este ano, acelerando novamente em 2018 (+1,8%).

 

Já a França e a Itália vão continuar a crescer abaixo da média da Zona Euro. A economia gaulesa deverá expandir-se 1,4% este ano e 1,7% em 2018, enquanto o crescimento do PIB de Itália deverá continuar abaixo de 1% este ano e acelerar ligeiramente em 2018 (+1,1%).

 

"A capacidade de resistência da economia europeia ficou demonstrada pela reacção aos inúmeros choques que sofreu ao longo do último ano. O crescimento resiste e o emprego e os défices tendem a diminuir. Com os elevados níveis de incerteza, contudo, será mais importante do que nunca utilizarmos todos os instrumentos estratégicos que possam contribuir para o crescimento", refere o comissário Pierre Moscovici.

 

Trump e Brexit são riscos

 

Apesar das previsões ligeiramente mais optimistas, Bruxelas identifica riscos "excepcionalmente elevados" às suas projecções, sendo a sua maioria de "pendor negativo".

 

"No médio prazo, os riscos para o crescimento económico são legados da crise recente; o voto do Reino Unido para deixar a União Europeia; potenciais disrupções ao comércio internacional; aperto mais forte da política monetária nos Estados Unidos, que poderá ter consequências negativas nas economias emergentes", refere a Comissão Europeia.

 

Marco Buti, responsável da Comissão Europeia pelas perspectivas económicas, assinala que as "grandes incertezas caracterizam o ‘outlook’ para a economia global e para a Zona Euro". Acrescenta que "o ritmo da saída do Reino Unido da União Europeia e o seu status futuro são ainda incógnitas" e que "estão ainda por concretizar as políticas económicas da nova administração de Trump".   

 

Desemprego continua a descer, inflação aproxima-se dos 2%

 

Nas projecções para os restantes indicadores, Bruxelas antecipa que o desemprego vai continuar a descer após baixar da fasquia dos 10%. Deverá atingir 9,6% este ano e 9,1% em 2018.

 

Já a inflação deverá acelerar este ano, para 1,7% (face aos 0,2% de 2016), situando-se mais próximo da meta do Banco Central Europeu (2%). Contudo deverá abrandar em 2018, para 1,4%.

 

O défice orçamental da Zona Euro deverá melhorar três décimas este ano, para 1,4%, estabilizando neste valor no próximo ano. Quanto à dívida pública, deverá manter uma trajectória de alívio, situando-se em 91,5% do PIB em 2016, 90,4% do PIB em 2017 e 89,2% em 2018.




(notícia actualizada às 10:50 com mais informação)




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Peixe podre Há 1 semana

E Mario Draghi (BCE) continua a injetar 80 mil milhões por MÊS nos bancos europeus, só para manter o baile.

silva Há 2 semanas

Não existe comissão europeia, para defender a união, mas sim lacaios da Alemanha. Portugal deve sair já. Vamos ao referendo

Telmo Há 2 semanas

Esta Europa só nos carregou ara o fosso com aquilo que lhe pagamos sem nada receber, as previsões e declarações de Portugal não vai cumprir Portugal não vai crescer. Só neoliberais fascistas a dominar esta Europa.

Luis Há 2 semanas

Sim, Portugal deve preparar a saída desta Europa centralista e virar-se para a lusofonia e o mar, até os fundos comunitários estão a ir todos para empresas alemãs e espanholas pois acabaram com as portuguesas.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub