Economia Comissão Executiva do FMI reitera plena confiança em Lagarde

Comissão Executiva do FMI reitera plena confiança em Lagarde

Christine Lagarde foi considerada culpada pelo caso de negligência de gestão de fundos públicos, que remonta ao seu mandato enquanto ministra das Finanças de França, mas não recebeu punição.
Comissão Executiva do FMI reitera plena confiança em Lagarde
Bloomberg
Negócios 19 de dezembro de 2016 às 22:38

A Comissão Executiva do Fundo Monetário Internacional (FMI) reiterou, em comunicado divulgado esta noite, plena confiança na sua secretária-geral. Isto depois de Christine Lagarde (na foto) ter sido, esta segunda-feira, considerada culpada pelo caso de negligência de gestão de fundos públicos, que remonta ao seu mandato enquanto ministra das Finanças de França.

"O contexto de crise financeira global na qual Lagarde se encontrava deveria ter sido tido em conta", declarou a juíza Martine Ract Madoux, citada pela Reuters. No entanto, a magistrada sublinhou a boa reputação e a posição internacional da antiga ministra das Finanças como razões para não atribuir uma punição, num caso que poderia levá-la a uma sentença de até um ano de prisão e uma multa de 15 mil euros. A líder do FMI também não terá qualquer registo criminal deste veredito.

Entretanto, a Comissão Executiva do Fundo reuniu-se para analisar estes desenvolvimentos e reafirmou "a sua plena confiança na capacidade da directora-geral para continuar a desempenhar eficazmente as suas funções". Nos termos do quadro de ‘governance’ do Fundo, a directora-geral, nomeada pela Comissão Executiva, desempenha as suas funções sob a direcção da Comissão, refere o comunicado.

"No exercício das suas responsabilidades de supervisão, a Comissão Executiva tem-se reunido regularmente, desde a nomeação da directora-geral em 2011, para avaliar se os desenvolvimentos de âmbito legal em França relacionados com a directora-geral afectam a sua capacidade de liderar o Fundo", explica aquele organismo.

E em resposta a mais uma análise, a Comissão Executiva determinou que tenciona continuar a trabalhar com Lagarde para "lidar com os difíceis desafios com que a economia mundial se confronta".

 

Este caso que envolve Lagarde prende-se com a disputa entre o empresário Bernard Tapie e o banco público francês Crédit Lyonnais pela venda da Adidas em 1993. Um diferendo que Lagarde, enquanto ministra das Finanças, viria a resolver em 2008, enviando o caso para um tribunal arbitral que decidiu o pagamento de uma indemnização estatal de 403 milhões de euros a Tapie, incluindo 45 milhões de euros para compensação de "danos morais".

O corpo de juízes, segundo a Reuters, não reconheceu negligência na decisão de Lagarde em encontrar um acordo extrajudicial com Bernard Tapie, mas antes no recurso da então ministra à arbitragem, que beneficiou o empresário e lesou o Estado Francês.



(notícia actualizada às 23:10)




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga 20.12.2016

OBVIO!
Só retiram confiança ao mexilhão.... Estes tubarões mexem-se bem! VERGONHA!
Com estas suspeitas e condenada deveria demitir-se, mas a guita e a chulice falam mais alto.

pub
pub
pub
pub