África Comissão liquidatária de banco moçambicano começa hoje desembolsos aos credores

Comissão liquidatária de banco moçambicano começa hoje desembolsos aos credores

A comissão liquidatária do moçambicano Nosso Banco começa hoje a pagar aos depositantes e credores, dispondo de 1,3 mil milhões de meticais para o efeito (18 milhões de euros), anunciou a instituição.
Comissão liquidatária de banco moçambicano começa hoje desembolsos aos credores
Reuters
Lusa 23 de outubro de 2017 às 07:26
Os clientes e credores já tinham sido parcialmente reembolsados, logo após a dissolução da instituição, em Novembro do ano passado, por ordens do Banco de Moçambique e vão agora receber o remanescente do seu dinheiro, referiu fonte da comissão liquidatária do Nosso Banco citada pelo jornal O País.

Na altura, o banco central anunciou que o Fundo de Garantia de Depósitos constituído pelo regulador só iria reembolsar os credores e depositantes até a um limite máximo de 20 mil meticais (277 euros).

Numa primeira fase, apenas os depositantes, fornecedores de bens e serviços, Estado e ex-trabalhadores é iam receber o dinheiro que lhes era devido, ficando os accionistas por reembolsar numa ocasião posterior.

O Nosso Banco tinha como accionistas maioritários o Instituto Nacional de Segurança Social (INSS), entidade estatal que gere pensões e reformas no país, e a empresa pública Electricidade de Moçambique (EDM).

A comissão liquidatária do Nosso Banco conseguiu reunir o dinheiro para pagar aos credores através da venda de ações na Sociedade Interbancária de Moçambique (SIMO), venda de património, créditos a outros bancos e por intermédio de cobrança de dívidas aos mutuários.

A comissão liquidatária do Nosso Banco continua a persuadir os mutuários no sentido de pagarem as dívidas que contraíram na instituição, bem como através do recurso aos tribunais.

O Banco de Moçambique decidiu liquidar o Nosso Banco devido à degradação contínua dos principais indicadores prudenciais e de rendibilidade, fundos próprios negativos, capital muito abaixo do mínimo regulamentar e fraca liquidez.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub