União Europeia Comissão promete melhorias na distribuição do Plano Juncker

Comissão promete melhorias na distribuição do Plano Juncker

Na terça-feira, um relatório do Banco Europeu de Investimento citado pela Reuters concluía que 92% do investimento alavancado até ao momento pelo Plano Juncker tinha beneficiado os 15 países mais ricos da UE. A Comissão quer agora melhorar a cobertura geográfica do plano.
Comissão promete melhorias na distribuição do Plano Juncker
Paulo Zacarias Gomes 06 de Outubro de 2016 às 11:26

A Comissão Europeia diz que está a preparar alterações e indicações para melhorar a cobertura geográfica do Plano Juncker que, de acordo com um relatório citado pela Reuters na terça-feira, beneficiou até ao momento sobretudo os 15 países mais ricos da União Europeia.

Num esclarecimento enviado pela representação em Portugal, a porta-voz da Comissão Europeia, Annika Breidthardt, defende que, apesar de o programa não ter quotas de atribuição de financiamento e de depender da procura, "a cobertura geográfica pode ser melhorada."

Entre as alterações apontadas pela porta-voz estão um aumento da assistência técnica à implementação do programa, um maior apoio local por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) e a facilitação da combinação entre os fundos do Plano Juncker e fundos estruturais e de investimento.

A Comissão vai "encorajar" o BEI a agir localmente, tal como acontecerá com os serviços de assistência a prestar pela Plataforma Europeia de Aconselhamento ao Investimento, que funciona no seio do BEI. A responsável recorda ainda que Bruxelas propôs a extensão do Plano Juncker, uma decisão que será tomada em Dezembro depois do processo legislativo em curso.

Um relatório do BEI noticiado na terça-feira pela Reuters aponta que a grande maioria do dinheiro aplicado até ao momento (mais de 90%) no âmbito do Fundo Europeu para o Investimento Estratégico –, EFSI na sigla em inglês, também denominado Plano Juncker – foi absorvida por projectos a realizar nos 15 Estados-membros mais ricos da União Europeia.


Itália, Espanha e o Reino Unido - com um pé fora do clube dos 28 - foram os mais beneficiados em infra-estruturas e inovação.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Luis Filipe Grades Mantas Há 4 semanas

"Estamos a brincar" aos meninos....

Anónimo Há 4 semanas

COFINA:potencial subida,pela aproximação de mínimo:forte cashflow operacional,de 4,77 M€ no 1ºSem./16 (pág.24 em http://www.cofina.pt/~/media/Files/C/Cofina/investors/reports/2016res/cofina-rc-jun-16.pdf ),q permite dividendo (0,015 €/ação),e abater dívida (2 M€ no 2ºTrim./16).COMPRAR FORTEMENTE.

Indignado Há 4 semanas

Uma vergonha, Metem milhões e milhões nos paises ricos e aos pobres cortam fundos. Devemos sair desta Europa e não pagar nada de divida.

Anónimo Há 4 semanas


PS DEIXA MORRER UTENTES DO SNS... PARA DAR MAIS DINHEIRO À FP:

- PS aumenta despesa com salários da FP em 500 milhões de Euros;

- PS reduz horário da FP para 35 horas;

- PS corta orçamento dos Hospitais Públicos.

pub
pub
pub
pub