Conjuntura Confiança das famílias arranca 2017 em máximos

Confiança das famílias arranca 2017 em máximos

A confiança dos consumidores está a subir há cinco meses e a dos empresários retomou a trajectória de alta no arranque do ano.
A carregar o vídeo ...
Nuno Carregueiro 30 de janeiro de 2017 às 09:55

Os consumidores e os empresários arrancaram o ano mais optimistas, de acordo com os inquéritos de conjuntura de Janeiro de 2017 publicados esta segunda-feira, 30 de Janeiro, pelo Instituto Nacional de Estatística.

 

No caso dos consumidores, foi o quinto mês consecutivo de melhoria no indicador, que está agora em máximos desde Abril de 2000. Segundo o INE, as famílias portuguesas estão mais optimistas em relação à "evolução do desemprego e das expectativas relativas à situação económica do país e, em menor grau, das apreciações da evolução da poupança e da situação financeira do agregado familiar".

O desemprego em Portugal tem vindo de descer de forma consolidada nos últimos meses e a economia portuguesa tem dado sinais de aceleração, com o PIB a crescer 0,8% no terceiro trimestre, um dos melhores desempenhos na Zona Euro.

 

As famílias portuguesas têm vido beneficiar com a política de devolução de rendimentos do Governo de António Costa, sendo que para muitas a sobretaxa foi eliminada no início deste ano.

 

O INE detalha que o índice que mede as expectativas sobre a evolução da situação económica do país atingiu um máximo da série iniciada em Setembro de 1997. Nas expectativas sobre o desemprego, o valor de Janeiro também é o melhor de sempre.

 

Em sentido negativo, as apreciações dos consumidores sobre a realização de compras importantes diminuiu em Janeiro, "interrompendo o movimento ascendente iniciado em Janeiro de 2016". Ainda assim, as expectativas dos portugueses de realização de grandes gastos com melhoramentos na habitação aumentaram para máximo desde Janeiro de 2011 e o saldo das expectativas de compra de automóvel estabilizou em Janeiro no valor máximo desde Julho de 2010.

 

Entre as empresas Janeiro foi também um mês de mais confiança. Depois de dois meses em queda, o indicador de clima económico aumentou no primeiro mês deste ano.

 

Por sectores, o índice de confiança aumentou na indústria transformadora, na construção e obras públicas, nos serviços e recuperou "ligeiramente" no comércio. 



(Notícia em actualizada às 10:02 com mais informação)




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Tecno - 666 30.01.2017

Não pode ser, chamem os demónios.

Anónimo 30.01.2017

AQUI ESTÁ MAIS UMA PROVA DO QUE TEMOS DITO AQUI. O BURRO ANALFABETO DO PASSOS Q
NUNCA VIU UMA EMPRESA NEM SABE O QUE É TRABALHAR NUNCA NA VIDA PODERIA APRESENTAR ESTA PERFORMANCE A POLÍTICA SÓ TEM INTERESSE DESDE QUE ORIENTADA PARA AS FAMÍLIAS MAS ATÉ ISSO AQUELA BESTA TRAIU DEVE VOLTAR ÀS DOCAS.

Anónimo 30.01.2017

O Passos e o Portas andam desfocados do bota abaixo junto dos empresários por isso eles acabam por cair na real ao estarem otimistas em relação ao país. Não se deixem enganar pelo botaabaixismo a geringonça está a levar o país para a frente... quer se queira quer não...

Boy podre 30.01.2017

O Coelho vai detestar esta noticia. O gajo quer o Diabo.

pub
pub
pub
pub