Conjuntura Confiança das famílias em máximos históricos

Confiança das famílias em máximos históricos

Famílias e empresas estão mais confiantes na economia. O indicador dos consumidores está mesmo em níveis nunca antes vistos.
Confiança das famílias em máximos históricos
Miguel Baltazar/Negócios
Sara Antunes 29 de junho de 2017 às 09:37

Nunca as famílias portuguesas estiveram tão confiantes na economia. Pelo menos é o que revelam os dados divulgados esta quinta-feira, 29 de Junho, pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE).


O indicador de confiança das famílias subiu para 1,7 pontos, o que representa um salto face ao mês anterior (em que se encontrava nos 0,1 pontos) e é mesmo a leitura mais alta desde que o INE tem dados (Novembro de 1997).

 

A contribuir para esta evolução estiveram quase todos os indicadores analisados. Os consumidores portugueses estão optimistas sobre o que os espera para o próximo ano.

 

O indicador sobre o que esperam para o próximo ano em termos de situação financeira também subiu, para máximos de Abril de 2000. Já as suas perspectivas em relação à economia portuguesa nunca tiveram tão elevadas. No que respeita ao desemprego, os portugueses prevêem também uma melhoria da situação. O único indicador que não melhorou foi o que se refere às poupanças, tendo recuado, o que sugere que os portugueses não prevêem aumentar as suas poupanças no próximo ano, o que até está em linha com os últimos dados. A poupança das famílias recuou para 3,8% do rendimento disponível no primeiro trimestre de 2017, marcando assim o valor mais baixo da série que teve início há 18 anos.

 

Confiança dos empresários em máximos de 2002

 

Os empresários também estão mais confiantes na situação da economia e das suas próprias empresas. O indicador de clima económico, que agrega a percepção dos diferentes sectores, subiu para 2,1 pontos, o que representa o valor mais elevado desde Junho de 2002.

 

E só houve um sector que se revelou menos optimista, ainda que o indicador esteja próximo de máximos de Agosto de 2001. Trata-se dos serviços, cujo indicador de confiança desceu de 14 para 13,5 pontos. A contribuir para esta redução de confiança está a procura nos próximos três meses, bem como a carteira de encomendas dos últimos três meses.

 

Já a confiança entre a indústria transformadora está em níveis de Fevereiro de 2008, enquanto a confiança na construção e obras públicas melhorou para níveis idênticos aos registados em Setembro de 2002. No comércio o indicador está em máximos de Junho de 2001.

Esta melhoria da confiança dos consumidores e dos empresários junta-se assim à de outros agentes. Os dados económicos têm apontado para uma recuperação da economia nacional, o desemprego está a descer e as perspectivas dos economistas são cada vez mais optimistas. O próprio Banco de Portugal reviu as suas estimativas apontando agora para um crescimento do produto interno bruto (PIB) de 2,5%, o que representa o ritmo mais célere de expansão do século.

(Notícia actualizada com mais informação)




A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 29.06.2017

Com um governo socialista a fazê-los pensar que o país está na linha da frente da 4ª revolução industrial quando ainda nem conseguiu entrar na 3ª...

comentários mais recentes
Anónimo 29.06.2017

O Pablo Escobar, à custa de mortes, misérias, injustiças e sofrimentos vários, também vivia à grande e fazia muito povo que o apoiava andar constantemente contente e animado. No entanto, só extraia valor do Estado, da economia e da sociedade e não criava valor nenhum. As políticas implementadas nos países devem ser cada vez mais analisadas segundo esse prisma. Está-se a criar valor? Está-se a extrair valor? Quais os custos de oportunidade de tomar a opção A em detrimento da B?

Anónimo 29.06.2017

Com um governo socialista a fazê-los pensar que o país está na linha da frente da 4ª revolução industrial quando ainda nem conseguiu entrar na 3ª...

Anónimo 29.06.2017

Com as dívidas acumuladas pelo Estado, empresas e famílias em mais 700 mil milhões de €. ( 4 vezes o PIB anual) sto não é um indicador de confiança deve ser um indicador de Fé. Altere-se pois o ditado para: Quem deve não teme.

miau miau AQUI HÁ GATO 29.06.2017

A cmvm já contratou os detetives PATILHAS e VENTOINHA para descobrirem o porque de o BCP já ter 3 PRICE TARGETS superores a 0.33 e continuar ao preço de um RELES papo seco 0.23

ver mais comentários
pub