Economia Confiança dos investidores do euro renova máximos de uma década

Confiança dos investidores do euro renova máximos de uma década

O indicador atingiu o valor mais elevado desde Julho de 2017, na semana em que o BCE se reúne e em que o crescimento da Zona Euro no primeiro trimestre poderá ser revisto em alta.
Confiança dos investidores do euro renova máximos de uma década
Bruno Simão/Negócios
Paulo Zacarias Gomes 06 de junho de 2017 às 11:28

A confiança dos investidores na Zona Euro voltou a crescer em Junho, pelo sexto mês consecutivo, elevando-se a máximos de uma década e anteriores à crise económica e financeira internacional.

O índice Sentix para o presente mês ficou em 28,4, uma subida em relação aos 27,4 de há um mês, em máximos de Julho de 2007. Dados conhecidos na semana em que deverá ser revisto em alta o crescimento da Zona Euro no primeiro trimestre e que o Financial Times estima que tenha sido de 0,6%, contra os 0,5% inicialmente estimados. 

Em relação à avaliação da situação actual no bloco dos 29, o índice passou de 34,5 para 36,0, o valor mais alto desde Janeiro de 2008, enquanto as perspectivas futuras melhoraram ligeiramente para 21,0, em máximos de Agosto de 2015.

Entre os investidores inquiridos, destaca-se o optimismo dos alemães, cuja confiança sobre o momento presente subiu para o nível mais elevado de sempre - 66,8 - a três meses das eleições no país.

Os resultados do inquérito demonstram ainda que as expectativas dos investidores em relação à maior economia do mundo são agora negativas - pela primeira vez desde Março de 2016 -, a reflectir os receios em torno das políticas proteccionistas da "América Primeiro" do presidente Donald Trump.

A instituição que produz o inquérito conclui que a recuperação da Zona Euro continua forte e está a ganhar impulso, algo que espera que venha a ser reflectido na reunião do Banco Central Europeu desta quinta-feira, onde poderá começar a ser debatida a retirada do programa de estímulos em face das evoluções verificadas na inflação nos últimos meses.

Em Maio o ritmo de crescimento dos preços abrandou - movimento acompanhado pela inflação subjacente, aquela que exclui as componentes mais voláteis, como a energia - o que poderá justificar a manutenção por mais algum tempo das medidas expansionistas para atingir a meta de inflação próxima mas abaixo dos 2%.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 06.06.2017

É por causa do Centeno milagreiro.

comentários mais recentes
Conselheiro de Trump 06.06.2017

Mas o Junho ainda ao bocado comecou,e ja o dao como findo.Estou a pensar ir de ferias no fim dele,ainda tenho umas semanas de trabalho.Passamos a vida numa correria.

Anónimo 06.06.2017

É por causa do Centeno milagreiro.

AQUI Á GATO BCP a DESCER 06.06.2017

ENTÂO faltam 10 dias para a FINTCH subir os RATINGS do MILENIUM BCP e de PORTUGAL e O BCP CONTINUA A DESCER MIAU MIAU aqui anda GATINHO ai anda ANDA

pub