Banca & Finanças Consequências da insolvência de empresa de Vale e Azevedo "são muito pouco significativas"

Consequências da insolvência de empresa de Vale e Azevedo "são muito pouco significativas"

A advogada de Vale e Azevedo, Luísa Cruz, diz ao Negócios que não há trabalhadores afectados pela sentença de insolvência, já que a empresa Vale e Azevedo Capital encerrou os escritórios há quase oito anos.
Consequências da insolvência de empresa de Vale e Azevedo "são muito pouco significativas"
Simão Filho/Record
Diogo Cavaleiro 27 de Outubro de 2016 às 10:41
As consequências da insolvência da empresa Vale e Azevedo Capital Consultadoria e Gestão Empresarial serão diminutas, segundo a advogada do antigo presidente do Sport Lisboa e Benfica.
 
"À presente data, as consequências são muito pouco significativas", responde ao Negócios Luísa Cruz depois de ter sido questionada sobre a sentença publicada no Citius na semana passada.
 
Conforme o Negócios noticiou a 22 de Outubro, "na Comarca de Lisboa, Lisboa - Inst. Central - 1ª Sec.Comércio - J5 de Lisboa, no dia 19-10-2016, às 13h45m, foi proferida sentença de declaração de insolvência da devedora: ‘Vale e Azevedo Capital Consultadoria e Gestão Empresarial, SA’". 
 
Apesar da consideração da advogada de João Vale e Azevedo, não há ainda uma lista de credores nem do montante total em dívida pela empresa de consultoria. Só agora foi nomeado o administrador que ficará responsável pelo processo. Certo é que, na sua óptica, os créditos "são reduzidos". A empresa de consultoria tem como credores Álvaro Vale e Azevedo, que chegou a ser seu presidente, e a Autoridade Tributária e Aduaneira. A reclamação de créditos iniciou-se a 20 de Outubro podendo ser feita 30 dias a contar a partir dessa data.
 
Segundo Luísa Cruz, a empresa já está sem actividade há muito tempo, o que justifica o impacto que diz ser residual. "A Vale e Azevedo Capital SA encerrou os seus escritórios no primeiro trimestre de 2009, há quase oito anos, quando a sua casa-mãe em Londres e principal accionista (V&A Capital Ltd; 99.9%) entrou em liquidação. Desde então a actividade da empresa foi quase nula, tendo, logo nessa altura, deixado de ter trabalhadores ao seu serviço", responde a advogada.
 
Segundo avançou o Correio da Manhã em Junho passado, foi o irmão, Álvaro Vale e Azevedo, que fez o pedido de insolvência. Na altura, e ao jornal, a advogada, Luísa Cruz, disse que a empresa tinha sido vendida a uma empresa inglesa, não identificada, que estava em insolvência.
 
Em 2009, foi noticiado que o antigo presidente do Benfica penhorou bens daquela sua empresa de consultoria. É desse ano a penúltima entrada no Portal de Justiça em que consta a designação de Luísa Cruz e de António Vale e Azevedo como administradores da empresa. Depois, só há uma entrada de 2014 para a actualização da sede e freguesia. No final de 2013, Vale e Azevedo já tinha sido declarado insolvente pelo Tribunal do Comércio de Lisboa Noroeste.  
 
Presidente do Benfica entre 1997 e 2000, Vale e Azevedo saiu, este ano, da prisão em liberdade condicional onde estava por ter sido condenado por peculato, branqueamento de capitais, abuso de confiança e falsificação de documento.



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Gatunos Há 1 semana

Que raio de país é este ?São precisos 8 anos para fazerem o funeral a uma empresa falida, penhorada e morta ?
Por este andar o funeral do BES vai demorar mais de um seculo.

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Comparo este senhor ( vale tudo,)com o senhor que tem olhos que parece que trespassam ( olhos de assassino) o transmontano que matou a brasleira: Sabem quem e?O filho da peixeira, estes dois e mais alguns deviam estar presos sem ver o dia, durante o tempo de vida que lhes resta.FARINHA DO MESMO SACO

Gatunos Há 1 semana

Que raio de país é este ?São precisos 8 anos para fazerem o funeral a uma empresa falida, penhorada e morta ?
Por este andar o funeral do BES vai demorar mais de um seculo.

Anónimo Há 1 semana


Os ladrões de esquerda

PS LADRÃO, em ação (sempre a roubar os trabalhadores do privado).

COSTA LADRÃO aumenta impostos, aumenta dívida, aumenta despesa com salários e pensões da FP… e corta em tudo o resto!

pub
pub
pub
pub