Política Constitucional espanhol suspende sessão do Parlamento catalão sobre referendo

Constitucional espanhol suspende sessão do Parlamento catalão sobre referendo

Carles Puigdemont marcou para segunda-feira uma sessão para debater os resultados do referendo independentista. O Tribunal Constitucional decide, após uma acção do PS da Catalunha, que o evento não pode ocorrer.
Constitucional espanhol suspende sessão do Parlamento catalão sobre referendo
Diogo Cavaleiro 05 de outubro de 2017 às 15:02

O Tribunal Constitucional espanhol determinou a suspensão da sessão da próxima segunda-feira, 9 de Outubro, do Parlamento catalão. Para essa data estava marcada uma avaliação dos resultados do referendo por parte do líder da região da Calatunha.

 

"O Plenário do Tribunal Constitucional, por unanimidade, admitiu o recurso apresentado na manhã de hoje pelo Partido Socialista da Catalunha contra a decisão, adoptada pela mesa do Parlamento da Catalunha de 4 de Outubro, de convocar a celebração do plenário para que o presidente da Generalitat, Carles Puigdemont, ‘avalie os resultados do referendo de 1 de Outubro e os seus efeitos’", segundo a nota de imprensa.

 

A decisão foi tomada com "urgência excepcional", tendo em conta os danos de "muito difícil reparação" que poderiam ser criados caso a sessão legislativa viesse a ocorrer. Além disso, é referida a "relevante repercussão económica e social" dessa sessão. Com esta decisão do TC, qualquer posição tomada no Parlamento catalão que seja tomada na decisão plenária não tem qualquer efeito, já que é considerada totalmente "nula".

 

Segundo os dados de Puigdemont, o referendo de domingo, considerado ilegal por Madrid, contou com 90% de votos favoráveis à independência da região autónoma. O líder da Generalitat já tinha dito que iria, dentro de dias, proceder à proclamação da independência.

 

O tema, além de toda a tensão que tem causado nos mercados e nos investidores, também está a mexer directamente com a economia. Os bancos catalães CaixaBank (dono do BPI) e Sabadell estão a avaliar a retirada da sede social da região para não perderem a ligação ao Banco Central Europeu.




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Outro palhaço esquerdalho 05.10.2017

Que irá colidir com a realidade e covardemente meter o rabo entre as pernas.
As ideias independentistas ocas e vazias estão a provocar a destruição económica da Catalunha. Quem não respeita as leis do estado de direito, não deve ser respeitado, deve ser tratado como fora da lei...

invicta 05.10.2017

Não se percebe porque esta gajo, Carles Puigdemont ainda não está atrás das grades. Depois de fazer o que fez e continua em liberdade? Está tudo doido. Outro, "sem nome", que faça o mesmo e vai ver o que o espera. Há leis ou não há? É só para alguns? Que pouca vergonha...

Anónimo 05.10.2017

Mais um que quer ficar na história de Catalunha, lá Dizia Dona Luisa de Guzman: mais vale ser rei por um dia que Duque toda a vida.
Talvez este catalão fique mais com a fama de D. Miguel de Vasconcellos do que com a fama de D. João IV.

Anónimo 05.10.2017

Este que estima cotação do BCP deve ser alguém que foi despedido, a sua raiva transborda o copo.

ver mais comentários
pub