Conjuntura Consumidores portugueses arrancam o ano menos confiantes. Clima económico estabiliza

Consumidores portugueses arrancam o ano menos confiantes. Clima económico estabiliza

A confiança dos consumidores caiu relativamente ao final do ano passado, enquanto o clima económico se manteve estável face a Dezembro.
Consumidores portugueses arrancam o ano menos confiantes. Clima económico estabiliza
Miguel Baltazar/Negócios
Rita Faria 30 de janeiro de 2018 às 10:27

A confiança dos consumidores portugueses diminuiu no arranque deste ano, enquanto o clima económico estabilizou, revela o Instituto Nacional de Estatística (INE) esta terça-feira, 30 de Janeiro.

 

No Inquérito de Conjuntura às Empresas e aos Consumidores, relativo ao mês de Janeiro, o INE mostra que o indicador que mede a confiança dos portugueses fixou-se em 1,3 pontos, o que representa uma desaceleração expressiva face aos dois últimos meses do ano passado (2,3 pontos).

 

Esta diminuição do indicador em Janeiro "reflectiu os contributos negativos das perspectivas relativas à evolução da situação económica do país, da situação financeira do agregado familiar e, em menor grau, da poupança, verificando-se um contributo positivo das perspectivas relativas à evolução do desemprego", explica o INE.

 

Já o clima económico estabilizou em relação a Dezembro nos 1,9 pontos, o que também representa um abrandamento face aos meses anteriores, já que entre Maio e Novembro do ano passado, este indicador se manteve sempre acima dos 2 pontos.

 

Na construção e obras públicas, a tendência foi a inversa, com a confiança a crescer em Janeiro pela primeira vez em quatro meses, impulsionada pela melhoria das perspectivas de emprego e opiniões sobre a carteira de encomendas.

 

A confiança também melhorou nos serviços ao passo que recuou no comércio, depois das subidas registadas nos dois meses anteriores.

 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

A instabilidade externa e interna em todos os campos,as ameaças,a retirada do duodécimo,o aumento provável dos empréstimos,as insolvencias,o aumento global dos produtos e impostos levaram a uma certa retração e contenção nos gastos e tb a compra de bens não consumíveis retirou $ da circulação.

General Ciresp Há 2 semanas

Fiquei incredulo quando ontem ouvi o gana(po)d.branca dizer:o deficiti esta isento de todos os males praticados,e ainda mal se levantou o tapete da desgraca.Vem tudo a condizer com o que se esta a passar com a ELITE DE CU AO LEU.O selfie tripa e 1 homem sempre em cima do acontecimento e aqui nada.

General Ciresp Há 2 semanas

Sera q os ceguinhos comecam agora a perceber q a gerigonca ao dar 5 euros a mais ao fim do mes,vai-lhes sacar 10 a mais nos impostos.1gamela com 70 cabecas diretas(ministros,sec.de estado)e mais as cabecas indirectas(empregos familiares) tem de ser pagas pelos ceguinhos.Perto das eleicoeis ha doces.