Mundo Contra-almirante e outros oficiais da Marinha dos EUA acusados de corrupção por subornos

Contra-almirante e outros oficiais da Marinha dos EUA acusados de corrupção por subornos

Um contra-almirante reformado da Marinha dos EUA e outros oito oficiais de altas patentes foram acusados de corrupção e outros crimes numa investigação em expansão de subornos, designada "Leonardo Gordo", revelaram hoje vários procuradores.
Contra-almirante e outros oficiais da Marinha dos EUA acusados de corrupção por subornos
Lusa 15 de março de 2017 às 01:26

O contra-almirante Bruce Loveless, oficial do serviço de informações da Marinha, é o segundo oficial desta patente a ser acusado no caso, que já atingiu os 25 arguidos.

 

O empresário malaio Leonard Francis, alcunhado de 'Leonardo Gordo' devido à sua figura corpulenta, está no centro do escândalo e à espera de sentença nos EUA, depois de admitir que a sua empresa de serviços portuários corrompera oficiais com dinheiro, prostitutas e outras dádivas para garantir que os navios da Marinha norte-americana paravam nos portos operados pela sua firma.

 

Durante uma ocasião, Francis promoveu um jantar em Hong Kong, no qual Loveless e outros alegadamente se empanturraram com uma refeição de oito pratos, incluindo sopa de trufas negras, salada de lagosta, caviar, fígado de pato em pão torrado e outros pratos fantasiosos.

 

"Cada prato era acompanhado de champanhe ou vinho fino", acrescentaram os procuradores, e o custo total do repasto foi de "aproximadamente" 18.371 dólares (17.312 euros).

 

Loveless foi levado hoje para a sua casa, em regime de prisão domiciliária, e deve comparecer no tribunal federal até ao final do dia.

 

No perfil de Loveless na rede social LinkedIn detalha-se que se reformou em Outubro de 2016, ao fim de três décadas como agente do serviço de informações da Marinha. 

 

"Ele, directa e indirectamente, de forma corrupta, pediu, procurou, recebeu, aceitou e concordou em receber coisas de valor (...), incluindo entretenimento, estadias em hotéis e serviços de prostitutas", especificou-se na acusação.

 

Segundo os procuradores, Francis participou em orgias generalizadas, incluindo uma, em Maio de 2008, "que durou vários dias, com um carrossel rotativo de prostitutas, durante a qual os acusados beberam todas as garrafas de (champanhe) Dom Perignon disponíveis no (hotel) Shangri-La", em Manila, com um custo superior a 50 mil dólares.

 

Durante uma visita ao porto pelo navio USS Blue Ridge, em 2007, material histórico da Suite MacArthur, no Hotel Manila, relacionado com o conhecido general norte-americano Douglas MacArthur, "foi usado pelos participantes em actos sexuais".

 

Loveless é o segundo contra-almirante a ser acusado neste caso. Em Junho de 2016, o contra-almirante Robert Gilbeau admitiu a um juiz federal, em San Diego, que tinha mentido quando afirmou aos investigadores que nunca tinha recebido prendas de Francis.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz 15.03.2017

POR CÁ HOUVE UM CERTO JUIZ QUE TAMBÉM OS QUIS ENJAULAR MAS OS PADRINHOS POLÍTICOS NÃO PERMITIRAM ...HOJE ESTÁ A TRATAR DA SAÚDE AO ESTUPOR DO PINÓQUIO ...

pub
pub
pub
pub