Política Conversa entre Temer e Joesley divulgada pelo Supremo. Manifestantes acorrem às ruas

Conversa entre Temer e Joesley divulgada pelo Supremo. Manifestantes acorrem às ruas

O Supremo Tribunal Federal entregou à Presidência da República do Brasil o áudio de uma das gravações que recebeu no âmbito da denúncia dos donos da JBS, empresa que envolveu Michel Temer num escândalo de Suborno. Horas depois, a conversa foi também disponibilizada à imprensa. Nas ruas, os ânimos incendeiam-se e os manifestantes pedem a renúncia do chefe de Estado.
Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters
Carla Pedro 19 de maio de 2017 às 00:50

O Brasil está em ebulição com um novo escândalo, depois de o jornal O Globo ter divulgado ontem informação envolvendo o Presidente Michel Temer num caso de suborno. Depois das manifestações de quarta-feira à noite nas ruas, esta quinta-feira – 18 de Maio – o movimento de descontentes ganhou mais força e o mote é ‘Fora Temer’. Os manifestantes querem que o Presidente renuncie, mas Temer já disse que não o fará.

 

O Presidente fez uma declaração na quinta-feira, negando o seu envolvimento em qualquer caso de suborno e afirmou que não irá renunciar. Mas entretanto o Supremo Tribunal Federal libertou a gravação da conversa entre Temer e Joesley Batista, e é perfeitamente audível a parte em que o chefe de Estado diz ao dono da brasileira JBS – maior produtora mundial de proteína animal – que deve continuar a pagar "luvas" a Eduardo Cunha pelo seu silêncio.

 

Esta denúncia feita pelos irmãos Batista e mais cinco funcionários da JBS enquadra-se na figura jurídica da delação premiada, que permite a redução da pena de um arguido em troca de colaboração com a Justiça.

 

Tudo aconteceu no passado dia 7 de Março, quando Joesley Batista foi ao encontro de Michel Temer. "Joesley chegou à residência oficial do presidente com o máximo de discrição: foi a conduzir o seu próprio carro para uma reunião a dois, fora de agenda. Escondia no bolso uma arma poderosa — um gravador", relata O Globo.

 

No seu depoimento junto dos procuradores, Joesley declarou não ter sido Temer a determinar que fossem pagas "luvas", mas explicou que o Presidente tinha pleno conhecimento da operação. Até porque terá sido Temer a indicar o nome de um deputado "subornável".

 

Entre outros elementos, Joesley disse a Temer que estava a pagar a Eduardo Cunha – ex-presidente da Câmara dos Deputados que se encontra actualmente preso no âmbito da Operação Lava Jato – e ao seu então braço-direito Lúcio Funaro, igualmente detido [no âmbito da Operação Sépsis]. Tudo isto para ficarem calados.

 

A manobra pareceu ser do agrado do Presidente brasileiro, conforme denunciado. "Todo o diálogo foi gravado por Joesley. Tem trechos explosivos. Num deles, o dono da JBS relatou a Temer que estava ‘dando mesada’ [a subornar] a Eduardo Cunha e Lúcio Funaro para que ambos, tidos como conhecedores de segredos de dezenas de casos escabrosos, não abrissem o bico. Temer mostrou-se satisfeito com o que ouviu. Neste momento, diminuiu um pouco o tom de voz, mas deu o seu aval: — Tem que manter isso, viu?", salienta O Globo.

 

Na gravação – com 39  minutos – hoje disponibilizada pode ouvir-se Temer dizer isso mesmo: "Tem que manter isso, viu?" (minuto 11.37).

 

Enquanto este caso está a ser investigado pelas autoridades competentes, uma vez que o Supremo já abriu investigação a Temer, as manifestações nas ruas multiplicam-se por várias cidades brasileiras, como Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Curitiba, Fortaleza, Florianópolis, Belo Horizonte, Maceió e muitas mais.

 

Na capital federal, em Brasília, a multidão acorreu à Praça dos Três Poderes, que acolhe o Palácio do Planalto – onde se localiza o gabinete presidencial.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub