Ásia Coreia do Norte diz que testou míssil para avaliar transporte de ogiva nuclear de larga escala

Coreia do Norte diz que testou míssil para avaliar transporte de ogiva nuclear de larga escala

O regime de Pyongyang diz que o ensaio que decorreu este sábado à noite visava comprovar que o míssil em causa era capaz de transportar uma ogiva militar com efeito de larga escala.
Coreia do Norte diz que testou míssil para avaliar transporte de ogiva nuclear de larga escala
Reuters
Negócios 14 de maio de 2017 às 23:14
O míssil de médio a longo alcance lançado este sábado à noite - hora em Portugal Continental - pela Coreia do Norte pretendeu validar a capacidade do projéctil para transportar uma ogiva nuclear "pesada de larga escala", justificou este domingo a agência de notícias oficial de Pyongyang.

"O teste de disparo procurou verificar as especificações técticas e tecnológicas do míssil balístico recentemente desenvolvido e capaz de transportar uma ogiva nuclear pesada de grandes dimensões," especificou a KCNA.

Segundo a mesma fonte, citada pela agência Reuters, o teste foi concluído com sucesso e acompanhado pelo líder do país, Kim Jong Un, que terá avisado os Estados Unidos para não subestimar o facto de o seu território estar ao alcance de um ataque norte-coreano.

Contudo, o comando militar norte-americano do Pacífico considerou que o projéctil em causa não é consistente com um míssil intercontinental balístico.

A agência acrescenta que o míssil foi lançado com a máxima inclinação com o objectivo de não afectar a segurança dos países vizinhos. Percorreu 787 quilómetros e atingiu 2,1 quilómetros de altura, referiu a agência norte-coreana KCNA. O míssil caiu no mar a 500 quilómetros de território russo.

A China e a Rússia mostraram-se "preocupadas com a escalada de tensão" na península coreana, depois do lançamento do míssil, que voltou a violar as resoluções da ONU. O recém-empossado presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-In, já tinha antes classificado como "perigosa provocação" o lançamento do projéctil balístico. Este foi o primeiro exercício do género desde que chegou ao cargo.

De acordo com a Lusa, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, defendeu o endurecimento de sanções contra a Coreia do Norte no seguimento do disparo de um míssil balístico no sábado.

"Que esta nova provocação seja um apelo a todas as nações para implementar sanções mais fortes contra a Coreia do Norte", lê-se num comunicado de imprensa divulgado na tarde deste domingo pela Casa Branca, que acrescenta que o míssil caiu "tão perto do solo russo que o Presidente não pode imaginar que a Rússia esteja contente".

A União Europeia considerou hoje que o disparo de um míssil balístico pela Coreia do Norte é "uma ameaça à paz e segurança internacional" e representa uma escalada da tensão na região.


O Conselho de Segurança das Nações Unidas deverá reunir-se esta terça-feira para debater o assunto. Desde 2006 que este órgão impõe sanções à Coreia do Norte, que vêm sido reforçadas nos últimos meses sanções pela realização de testes com mísseis.

(Notícia actualizada às 23:33 com mais informação)



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Força Trump 15.05.2017

Mata essa escumalha, duas atómivcas e o problema está resolvido. Matem-nos

pub