Ásia Coreia do Norte: Pequim apoia novas sanções, sem esclarecer se aceita proibição de petróleo

Coreia do Norte: Pequim apoia novas sanções, sem esclarecer se aceita proibição de petróleo

Pequim afirmou hoje que apoiará novas medidas contra a Coreia do Norte, horas antes da reunião do Conselho de Segurança da ONU, mas não esclareceu se sustentará a proposta norte-americana de proibir a venda de petróleo a Pyongyang.
Coreia do Norte: Pequim apoia novas sanções, sem esclarecer se aceita proibição de petróleo
Pete Marovich/Bloomberg
Lusa 11 de setembro de 2017 às 11:52
"A China apoia as resoluções do Conselho de Segurança da ONU para adoptar novas reacções e medidas necessárias em resposta ao sexto ensaio nuclear da Coreia do Norte", disse hoje o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês Geng Shuang em conferência de imprensa.

Geng escusou-se, no entanto, a responder se Pequim apoiará ou não a proibição da venda de petróleo ao regime de Pyongyang, proposta pelos Estados Unidos, mas recusada pela Rússia, ambos membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, tal como a China.

"Esperamos que os membros do Conselho possam tomar as suas decisões com base no consenso (...) para elevar a voz da união face ao resto do mundo", disse Geng.

O porta-voz sublinhou que a China sempre cumpriu com as suas obrigações internacionais, mas quis deixar clara a sua oposição a qualquer "sanção unilateral fora do âmbito do Conselho de Segurança", um alerta que Pequim tem feito frequentemente.

O Conselho de Segurança (CS) das Nações Unidas reúne-se hoje a pedido dos Estados Unidos para votar uma resolução que poderá impor as sanções mais severas de sempre à Coreia do Norte na sequência do seu último ensaio nuclear.

A proposta norte-americana previa proibir imediatamente todas as importações de petróleo por Pyongyang e todas as exportações de têxteis norte-coreanas, mas uma versão revista divulgada por Washington aos restantes 14 membros do Conselho de Segurança na noite de domingo prevê um "embargo progressivo" sobre o petróleo destinado a Pyongyang.

Segundo diplomatas citados pela agência noticiosa francesa AFP, as duras negociações em curso há quatro dias sobretudo com Pequim e Moscovo, levaram os Estados Unidos a suavizar o texto original no que diz respeito nomeadamente à situação dos trabalhadores expatriados norte-coreanos e à inspecção, se necessário pela força, de navios suspeitos de transportar carga proibida pelas resoluções da ONU.

A Coreia do Norte realizou, em 3 de Setembro, o seu sexto ensaio nuclear, que disse ter-se tratado de uma bomba de hidrogénio, ou bomba H miniaturizada, apta a ser colocada num míssil balístico intercontinental (ICBM).

O teste com uma bomba de hidrogénio foi o mais potente já realizado pelo regime norte-coreano e suscitou a condenação da comunidade internacional, aumentando a tensão na região.

Em Julho, aquele país asiático já tinha realizado dois disparos de ICBM.

Estas atividades nucleares e balísticas violam as resoluções das Nações Unidas, que já infligiram sete conjuntos de sanções a Pyongyang.

FPA (DM/JH) // VM

Lusa/Fim




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Inventor Há 1 semana

Tambem a gasolina que precisam ñ deve fazer muita falta para os carros que se veem a circular.... ahahahah!

bazanga Há 1 semana

Nada disso resolve. Resolvia se n fosse uma ditadura muito dura. Assim, é igual. Apenas o povo da Coreia sofre, p+ois recebe m,enos, mas os líderes têm o mesmo.

pub
pub
pub
pub