Ásia Coreia do Sul detecta preparativos de Pyongyang para possível novo lançamento de míssil

Coreia do Sul detecta preparativos de Pyongyang para possível novo lançamento de míssil

A Coreia do Sul diz ter detectado manobras por parte da Coreia do Norte para preparar o lançamento de um míssil balístico que poderá ser intercontinental. Seul anunciou ainda o reforço de baterias anti-míssil.
Coreia do Sul detecta preparativos de Pyongyang para possível novo lançamento de míssil
Korean Central News Agency via Reuters
Paulo Zacarias Gomes 04 de setembro de 2017 às 08:00
A Coreia do Sul diz ter detectado manobras por parte da Coreia do Norte para preparar o lançamento de um novo míssil balístico, que poderá ser de alcance intercontinental.

A notícia é avançada pela agência de notícias sul-coreana Yonhap News, que cita responsáveis da Defesa de Seul durante uma audição parlamentar, e surge horas depois de Pyongyang ter realizado um ensaio com a detonação de uma bomba de hidrogénio. 

"Continuámos a ver sinais de possíveis lançamentos de mais mísseis balísticos. Também prevemos que a Coreia do Norte possa lançar um míssil balístico intercontinental," disse Chang Kyung-soo, um oficial da Defesa, citado pela Reuters.

Antes do teste do fim-de-semana com a bomba H, as autoridades norte-coreanas diziam ter sido capazes de desenvolver uma bomba desse género suficientemente pequena para ser instalada num míssil balístico intercontinental, o mesmo tipo de míssil cujos preparativos para lançamento estarão agora a decorrer.

Os mesmos responsáveis, citados pela Lusa, avaliam que o teste norte-coreano teve uma potência de 50 mil toneladas, cinco vezes mais potente que o quinto ensaio nuclear realizado pela Coreia do Norte, em setembro de 2016, e mais de três vezes superior ao da bomba que destruiu Hiroshima em 1945.

O ministério da Defesa anunciou entretanto que as autoridades militares sul-coreanas acordaram este domingo reforçar a resposta militar contra a Coreia do Norte, mais do que insistir no diálogo.  

As forças de Seul vão deslocar temporariamente quatro plataformas de lançamento para o sistema norte-americano THAAD (defesa anti-mísseis), a sul da capital, disse o ministério da Defesa num comunicado citado pela Reuters.

A agência refere que há actualmente duas plataformas de lançamento instaladas naquela localidade e que a decisão de reforço foi tomada pelo presidente sul-coreano Moon Jae-in. Em simultâneo, Washington e Seul vão avançar com novos exercícios militares conjuntos, enquanto a Coreia do Sul já se prepara para possíveis ataques com mísseis balísticos ou ar-terra.

(Notícia actualizada às 9:06 com mais informação)



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Deixaram o monstro crescer ao longo de décadas. Agora estão todos aflitos porque já é demasiado tarde para o controlar.
E assim, a única hipótese é o assassinato do querido/amado/omnipotente líder e correlegionários.

comentários mais recentes
Ortigao.Sao.Payo Há 2 semanas

Pq razão o pm só reage depois de Jerónimo falar, deu lhe autorização verbal, né?

... QUE PODE LANÇAR O MUNDO NUM CONFLITO NUCLEAR Há 2 semanas

Os EUA são o expoente do ultraliberalismo, onde o dinheiro foi erigido à condição de verdadeiro deus.
Porém, isto não inibe de discorrer q foi espantoso e lamentável o discurso de JERÓNIMO, q tt fala em paz, ao branquear, por omissão, na Festa do Avante, o criminoso regime da COREIA DO NORTE ...

Anónimo Há 2 semanas

Definitivamente não se aprende com a história e com os erros cometidos no passado. Aconteceu o mesmo com o Hitler. Os eunucos da altura acobardaram-se e andaram com negociações da treta e depois foi o que se viu. Este tipo de gente só compreende uma linguagem, a da força e violencia.

Anónimo Há 2 semanas

Deixaram o monstro crescer ao longo de décadas. Agora estão todos aflitos porque já é demasiado tarde para o controlar.
E assim, a única hipótese é o assassinato do querido/amado/omnipotente líder e correlegionários.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub