Mundo Coreia do Sul vai reavaliar segurança dos Jogos Olímpicos de Inverno

Coreia do Sul vai reavaliar segurança dos Jogos Olímpicos de Inverno

O Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, afirmou que vai "reavaliar de perto" se o último lançamento de um míssil por parte da Coreia do Norte vai afectar os esforços para receber os Jogos Olímpicos de Inverno em 2018.
Coreia do Sul vai reavaliar segurança dos Jogos Olímpicos de Inverno
Lusa 29 de novembro de 2017 às 01:08

O gabinete do Presidente sul-coreano anunciou que Moon Jae-in afirmou, durante o Conselho de Segurança Nacional, que é importante encontrar soluções para "gerir de forma estável" a situação.

 

Os preparativos para os Jogos Olímpicos de Inverno, que vão decorrer em Fevereiro de 2018 em Pyeongchang, estão a ser ofuscados pelos testes nucleares e de mísseis da Coreia do Norte este ano.

 

A França já anunciou que a sua equipa olímpica não viajará para a Coreia do Sul, caso a segurança não seja garantida.

 

A Coreia do Sul pretende que a Coreia do Norte participe nos Jogos Olímpicos para atenuar as preocupações, mas esse dado ainda não está confirmado.

 

O Pentágono anunciou que o míssil lançado esta terça-feira pela Coreia do Norte é um engenho balístico intercontinental, que realizou um voo de mil quilómetros.

 

O disparo deste míssil, com alcance que permite atingir território norte-americano, foi o primeiro ensaio em dois meses e meio, depois de o último, de médio alcance, ter sobrevoado o norte do Japão antes de cair no mar.

 

"A Coreia do Norte lançou um míssil balístico não identificado em direcção aos arredores de Pyongsong, província a norte da capital norte-coreana (Pyongyang)", revelou o Estado-maior Conjunto sul-coreano.

 

Os continuados ensaios com armas feitos pelo regime de Kim Jong-un, entre os quais um ensaio nuclear no passado 3 de Setembro, aumentaram a tensão na zona a níveis nunca vistos depois da guerra da península da Coreia (1950-1953).

 

Na assembleia-geral da ONU, em Setembro, Trump foi duro quanto aos programas nucleares norte-coreanos e ameaçou "destruir totalmente" a Coreia do Norte se Pyongyang continuasse com as provocações.

 

Por várias vezes, Trump afirmou também que não descarta uma acção militar contra o regime de Pyongyang, uma vez que, disse, anos de diálogo não serviram para nada.

 

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) vai reunir-se de emergência, esta quarta-feira à tarde, devido ao lançamento do míssil realizado pela Coreia do Norte, anunciou a presidência italiana daquele órgão.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
MandoCardos Há 2 semanas

O pessoal da Coreia (do norte) está a fazer corar de raiva o do sul, do Japão, dos States e ... e... até a mim que estou bem longe deles. Por este andar, só parará quando for reduzida a escombros e cinza.

pub