Economia Correia de Campos: “Não há grande viabilidade em passar o salário mínimo para 600 euros”
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Correia de Campos: “Não há grande viabilidade em passar o salário mínimo para 600 euros”

O presidente do CES lembra que o compromisso foi o de atingir a meta dos 600 euros só no final da legislatura e que o Governo não está em condições para que lhe forcem a mão nesta matéria.
Correia de Campos: “Não há grande viabilidade em passar o salário mínimo para 600 euros”
Celso Filipe Rosário Lira 17 de outubro de 2017 às 11:30

António Correia de Campos  afirma que o Conselho Económico e Social gostaria de ver mais explícita a estratégia do Governo que está desenhada no Plano Nacional de Reformas.

)

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Camponio da beira Há 1 dia

SE energia e combustiveis viessem para preços justos as empresas poderiam pagar mais 50 euros, e o proprio, com esse beneficio directo, ao fim do mês poupava outros 50. Elementar meu caro Watson.Não fosse a politica e arredores, muitos nem o ordendo minimo mereciam.

General Ciresp Há 1 dia

CAO com todas as letras no maiusculo.Nos privados somos COBARDES de nos proprios.Tussimos todos por dar 1/2 de tostoes a quem trabalha,O patronato nem quer ouvir em reduzir o horario de trabalho e vai ser dado aos infermeiros por mes mais q 1 salario minimo nacional.Tao pouca uniao no privado,e pena

Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub