Economia Costa: 2017 vai ser ano "de maior crescimento económico do país"  

Costa: 2017 vai ser ano "de maior crescimento económico do país"  

"No terceiro trimestre crescemos mais do que no segundo trimestre", disse Costa, acrescentando que "as exportações continuam a sustentar" o crescimento.
Costa: 2017 vai ser ano "de maior crescimento económico do país"  
Lusa 15 de novembro de 2017 às 12:34

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou hoje que os números revelados na terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) confirmam que 2017 "vai ser o ano de maior crescimento económico do país desde o início do século".

 

"No terceiro trimestre crescemos mais do que no segundo trimestre", disse Costa, acrescentando que "as exportações continuam a sustentar" o crescimento.

 

Segundo o primeiro-ministro, que falava esta manhã na Alfândega do Porto, na cerimónia de apresentação das novas medidas do Programa Interface, para este crescimento ter continuidade é preciso que o país seja "cada vez mais competitivo".

 

"E para isso temos que cada vez mais saber incorporar na nossa actividade económica aquilo que são os factores decisivos da competitividade no futuro: conhecimento e inovação", sustentou.

 

O INE divulgou na terça-feira que a economia portuguesa cresceu 2,5% no terceiro trimestre de 2017 face ao mesmo período do ano passado e depois de ter crescido 3% no trimestre anterior.

 

Esta desaceleração do PIB era esperada pelos analistas, mas fica abaixo das previsões recolhidas pela agência Lusa, que apontavam para um crescimento entre os 2,6% e 2,9% em termos homólogos.

 

Comparativamente com o segundo trimestre, o PIB aumentou 0,5% em termos reais, mais 0,2 pontos percentuais que no trimestre anterior.

 

O chefe de Governo realçou, contudo, que "é precisamente no momento em que as notícias são boas" que é preciso "estar ciente" que é preciso "fazer mais e melhor", considerando que o Programa Interface "é o programa chave" do Programa Nacional de Reformas.

 

Costa destacou que o Orçamento do Estado para 2018 (OE2018) "continua a investir no ensino superior e na produção da ciência, garantindo o contrato de confiança" que foi assinado com as universidade e os institutos politécnicos", bem como reforça "o orçamento para a ciência e tecnologia", visando "não só aumentar o numero de bolsas de doutorados como aumentar o número de emprego cientifico".

 

"Temos de continuar a ter cada vez mais alunos do ensino superior e cada vez mais licenciados com pós-graduações e doutoramentos", sublinhou.

 

Segundo o INE, o contributo positivo da procura interna para a variação homóloga do PIB aumentou, verificando-se uma aceleração do consumo privado e um abrandamento do Investimento.

 

O contributo da procura externa líquida, por sua vez, foi negativo, contrariamente ao registado no trimestre anterior, reflectindo a desaceleração em volume das exportações de bens e serviços e a aceleração das importações de bens e serviços.

 

Já face ao trimestre anterior, o contributo da procura externa líquida para a variação em cadeia do PIB "passou de negativo a positivo, observando-se um aumento das exportações de bens e serviços superior ao das importações de bens e serviços", sinaliza.

 

O contributo da procura interna diminuiu ligeiramente no terceiro trimestre, face ao anterior, devido à redução do investimento, tendo o consumo privado aumentado (variação negativa no trimestre anterior).

 

Na proposta de Orçamento do Estado para 2018, o Governo reviu em alta a estimativa do crescimento da economia de 1,8% para 2,6% este ano e de 1,9% para 2,2% no próximo.

 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 5 dias

BOA! Toine Bosta! Já podes continuar a derreter e distribuir mais pela rapaziada de 1ª: FP!

Reformas ?!?
Reduzir DIVIDA ?!?!?!

Deixa andar....

pertinaz Há 5 dias

... ASSIM NÃO MATES MAIS NINGUÉM Ó ESTUPOR...!!!

Anónimo Há 5 dias

TUDO ISTO TRABALHO DO PASSOS/CRISTAS.
NÃO É PROF MARCELO?

CTT: Obrigado shorts por permitirem comprar barato Há 5 dias

Obrigadíssimo, shorts que estão a negociar CTT, pois assim podemos comprar muito barato, um titulo que vale mais do que o valor a que está a transacionar. A diversificação dos CTT é positiva, com o EBITDA a prová-lo: a soma dos Serviços Financeiros+Banco CTT foi positiva de 6,4 M€ nos 9M2017.

ver mais comentários