Orçamento do Estado Costa acredita que Bruxelas vai "mês após mês" ganhar tranquilidade com Orçamento

Costa acredita que Bruxelas vai "mês após mês" ganhar tranquilidade com Orçamento

O primeiro-ministro, António Costa, mostrou-se hoje confiante na viabilidade da proposta orçamental para 2018, acreditando que a Comissão Europeia vai, "mês após mês", ganhar maior "tranquilidade" com o documento.
Costa acredita que Bruxelas vai "mês após mês" ganhar tranquilidade com Orçamento
Miguel Baltazar
Lusa 22 de novembro de 2017 às 14:35

O chefe do Governo falava à margem de uma visita à Escola das Armas, em Mafra, e comentava a opinião de Bruxelas sobre a proposta orçamental para o próximo ano emitida hoje, onde o executivo comunitário identificou um "risco de não cumprimento" do ajustamento necessário para alcançar o Objetivo de Médio Prazo (de 0,25% do Produto Interno Bruto - PIB) "tanto em 2017 como em 2018".

 

Para António Costa, a discussão do Orçamento em sede de especialidade trará "seguramente" um melhoramento do documento.

 

"Tenho a confiança que o Orçamento do Estado será seguramente melhorado, mas não será enfraquecido na sua capacidade de cumprir as metas que temos", declarou o primeiro-ministro, sublinhando que, em 2016 e 2017, o executivo e o país atingiram ou superaram os objectivos a que se propuseram a nível, por exemplo, de défice público.

 

O comissário europeu dos Assuntos Económicos comentou hoje que o plano orçamental de Portugal para 2018 acarreta claramente "riscos de incumprimento", mas considerou, ainda assim, que o país está no bom caminho e não pode é repetir os erros do passado.

 

Na conferência de imprensa de apresentação do "pacote de outono do semestre europeu", que inclui os pareceres da Comissão sobre os esboços orçamentais dos países da zona euro para 2018, Moscovici afirmou que o projecto de orçamento de Portugal "está em risco de incumprimento, mas as coisas vão na direcção certa", designadamente na redução do défice estrutural, apontando as previsões que também a dívida pública vá sendo reduzida.

 

Sobre eventuais receios de que Portugal volte a cometer erros do passado e a aumentar excessivamente a despesa pública, Moscovici disse que a recomendação da Comissão é a mesma para todos os Estados-membros: "Devemos ter em mente que agora estamos fora da crise, mas que jamais devemos repetir os erros que nos conduziram lá".

 

A Comissão Europeia considerou hoje que o esboço orçamental para 2018 de Portugal "pode resultar num desvio significativo" do ajustamento recomendado, pelo que há "riscos de não cumprimento" dos requisitos do Pacto de Estabilidade e Crescimento (PEC).




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz Há 2 semanas

VENDEDOR DE BANHA DA COBRA

Anónimo Há 2 semanas

"Se queremos investir mais na qualidade da educação, na qualidade do sistema de saúde e nos serviços públicos não podemos consumir todos os recursos disponíveis com quem trabalha no Estado" - António Costa (Novembro de 2017) www.jornaldenegocios.pt/economia/financas-publicas/orcamento-do-estado/detalhe/costa-nao-podemos-consumir-todos-os-recursos-com-quem-trabalha-no-estado-se-queremos-investir-na-educacao-e-saude

Saber mais e Alertas
pub