Política Costa acusa oposição de "andar perdida" e de ter arranjado "um novo discurso"

Costa acusa oposição de "andar perdida" e de ter arranjado "um novo discurso"

O secretário-geral do PS acusou a oposição de "andar perdida" e de ter arranjado "um novo discurso" quando percebeu que o "diabo" que havia anunciado "não veio, não está para vir e não vai vir".  
Costa acusa oposição de "andar perdida" e de ter arranjado "um novo discurso"
Reuters
Lusa 03 de junho de 2017 às 10:18

António Costa participou no jantar de apresentação das listas do PS aos órgãos autárquicos de Santarém às eleições de 01 de outubro, lideradas por Rui Barreiro, cabeça de lista à Câmara escalabitana, que já liderou no mandato de 2001 a 2005.

 

"Como o diabo não veio, tiveram que arranjar um novo discurso e então agora o novo discurso é absolutamente extraordinário: ‘não, o diabo não veio porque eles afinal limitaram-se a dar continuidade àquilo que nós estávamos a fazer’.

 

"Ora como é que é possível, depois de um ano e meio a dizer, e bem, que estávamos a mudar as politicas que eles estavam a seguir, que estávamos a reverter as medidas que eles tinham tomado, vêm agora dizer que afinal estamos a fazer o mesmo que eles estavam a fazer", disse.

 

Sem nunca nomear o líder social-democrata, o discurso de Costa remeteu para as declarações de Pedro Passos Coelho, quarta-feira, em Albufeira, quando este afirmou que o Governo socialista "ao fim de um ano converteu-se" à política que contestava no anterior executivo, nomeadamente de combate ao défice.

 

"Durante um ano andaram a dizer que todas as tragédias do mundo se abateriam sobre Portugal e que tudo iria correr mal, e, quando ao fim de um ano, o país está a crescer como não crescia há uma década, quando o desemprego está a baixar e o emprego está a ser criado, quando o investimento aumenta e as exportações crescem e até a Comissão Europeia nos quer retirar do Procedimento por Défice Excessivo, eles percebem que tudo aquilo que andaram a dizer não aconteceu, que o diabo não veio, não está para vir e não vai vir. Pelo contrário", afirmou o líder socialista.

 

Perante perto de meio milhar de apoiantes reunidos no Centro Nacional de Exposições, em Santarém,, Costa afirmou que "os portugueses sabem" que o Governo não só está "a fazer diferente", como sabem que é por estar a fazer diferente "que os resultados são melhores do que os resultados que estavam a ter".

 

"Eles podem-se ter esquecido, mas as portuguesas e os portugueses não esquecem", declarou.

 

Elencando as várias medidas tomadas desde que tomou posse, de reposição de salários e pensões, redução de impostos, investimento na saúde e na educação, apoios ao investimento, Costa frisou que o Governo "está mesmo a fazer o contrário do que eles faziam".

 

"Nós fizemos diferente deles, nós fizemos o contrário deles e é por isso que estamos a ter resultados diferentes do que eles tiveram", disse.

 

António Costa afirmou que este Governo tem "uma visão muito distinta da que eles têm sobre o que são as condições necessárias para a economia poder crescer" e que o modelo que defende uma economia baseada nos baixos salários e na destruição de direitos "foi um fracasso absoluto".

 

Aos autarcas presentes no jantar de apoio a Rui Barreiro, o líder socialista pediu "a mesma ambição" de "fazer mais e melhor".


A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Serão os seus que lhe apontarão a porta pequena Há 2 semanas

As tiradas retóricas de Passos são patéticas e ridículas e denunciam claramente alguém, que, em desespero, tenta salvar o seu futuro político, que está já claramente traçado : o de alguém que, como não quer sair pelo seu próprio pé, será, literalmente, escorraçado, no próximo Congresso do PSD.

PARA PASSOS O POVO É ALGO DESCARTÁVEL Há 2 semanas

Decididamente, o vígaro PASSOS COELHO aceita muito mal e a contragosto tudo quanto signifique a melhoria das condições de vida dos cidadãos.
Em nome das suas ambições políticas, ele preferiria, de longe, que o actual governo não tivesse o êxito que tem e que a fome que ele espalhou continuasse.

PARTE DOS 1000 MM LUCRO DA EDP VOAM PARA A CHINA Há 2 semanas

Os "bons" frutos q o aldrabão Passos nos deu foram :
1 - Exterminar a classe média
2 - Espalhar no país uma enorme mancha de fome, pelas famílias
3 - Apontar à nossa juventude mais qualificada (com o dinheiro do país) a emigração
4 - Vendar ao desbarato as empresas públicas mais rendáveis

Anónimo Há 2 semanas

O Costa não sabe mas eu explico-lhe que portugal tem beneficiado dos juros artificialmente baixos devido às acções do BCE, caso contrário não cantava de galo, pois suas políticas são desastrosas.

Cuidado com ele quando deixarmos de estar ao colo do BCE.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub