Economia Costa admite indemnizar famílias das vítimas de Pedrogão se Estado tiver responsabilidade

Costa admite indemnizar famílias das vítimas de Pedrogão se Estado tiver responsabilidade

O primeiro-ministro admite que o Estado possa vir a indemnizar as famílias das vítimas mortais dos incêndios de Pedrogão Grande se houver "responsabilidade objectiva". Passos não tem dúvidas que o Estado falhou.
A carregar o vídeo ...
Marta Moitinho Oliveira 28 de junho de 2017 às 15:53
António Costa disse esta quarta-feira que o Estado vai indemnizar as famílias das vítimas dos incêndios de Pedrogão Grande se vier a ser declarada "responsabilidade objectiva" por parte do Estado. A garantia do primeiro-ministro foi deixada no Parlamento, no primeiro debate quinzenal a seguir à tragédia que matou 64 pessoas e fez mais de 200 feridos. Passos Coelho, que tinha desafiado o Governo a avançar com um mecanismo semelhante ao que foi usado em 2001 aquando da queda da ponte de Entre-os-Rios, afirmou não ter dúvidas de que "o Estado falhou".

"Se e quando se confirmar que há uma responsabilidade objectiva do Estado não terei qualquer dúvida em adoptar o mesmo mecanismo" que foi usado em 2001 para indemnizar as famílias das vítimas da queda da ponte Hintze Ribeiro, disse António Costa depois de questionado pelo presidente do PSD sobre a abertura do Governo para esse efeito.

Este tipo de mecanicismos permite uma indemnização mais rápida das famílias das vítimas, sem que estas tenham de perder tempo em tribunais. Costa lembrou até que em 2001 era ministro da Justiça e que a indemnização das famílias das vítimas foi feita no espaço de "um ano" - excepto o caso de uma família que tinha um caso de disputa parental - e foi possível através de um mecanismo que envolveu a Ordem dos Advogados.

Porém, Costa não se quer precipitar nas conclusões e por isso quer perceber bem o que se passou no dia 17 de Junho quando começou o incêndio que provocou a maior tragédia humana em Portugal.

Apesar de perceber que é preciso tempo para que sejam apuradas responsabilidades, Passos Coelho acredita que houve "falha do Estado" que provou a morte àquelas pessoas. São "estradas" do Estado, disse.

Mas, Costa defende que se for apurada responsabilidade do Estado pode não ser apenas em relação às famílias das vítimas mortais, porque nem todas as pessoas morreram na estrada. Nesse caso "a responsabilidade do Estado transcende em muito a indemnização pelo dano de morte". 


Passos Coelho tem mais certezas e pressa quanto à responsabilidade do Estado nas consequências dos incêndios. O líder do PSD lembrou a atitude rápida do Governo de António Guterres em 2001 e perguntou a Costa se "o
 Governo está disponível para rapidamente suprir esta lacuna". "O Parlamento pode fazê-lo mas demora mais tempo", avisou antes de ouvir a resposta de Costa.

Perante a disponibilidade de Costa sujeita à confirmação da responsabilidade do Estado, Passos afirmou: "Não tenho dúvidas que há responsabilidade objectiva" do Estado. As pessoas morreram em estradas nacionais, disse, acrescentando que deixará "ao Governo um tempo de avaliação".

Tanto Passos Coelho como Assunção Cristas criticaram a forma como o Governo está a gerir o processo pós incêndios de Pedrogão Grande, com a líder do CDS a afirmar que o Governo está a dar um "espectáculo de um falhanço de coordenação" entre as várias entidades, que têm revelado conclusões contraditórias. 

Cristas, que esperava que o debate desta quarta-feira servisse para apurar uma responsabilidade político, criticou o facto de "não haver uma voz que por cima as mande calar e arbitre essas respostas". Costa considerou que tem uma visão diferente do que é a função de primeiro-ministro.  

Ao longo de todo o debate, o primeiro-ministro rejeitou tirar conclusões antes de ter as respostas todas - lembrou que tanto ele como a ministra da Administração Interna fizeram perguntas e ordenaram as auditorias que entenderam necessárias e que só depois retiraram as conclusões. Costa assegurou que quer um "esclarecimento cabal" do que se passou.         


Casa arrombada, trancas à porta 

O debate quinzenal serviu ainda para o primeiro-ministro anunciar que o Ministério da Administração Interna "já ordenou a aquisição por ajuste directo das antenas satélite que permitem assegurar redundâncias em situações em que se repita a destruição da rede de comunicações". 

"A ministra da Administração Interna já ordenou a aquisição por ajuste directo das antenas-satélite que permitem assegurar redundâncias em situações em que se repita a destruição da rede de comunicações", afirmou António Costa, no debate quinzenal no parlamento.

O primeiro-ministro respondia à coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, que considerou estar na altura de dar respostas aos portugueses sobre o que falhou na tragédia dos incêndios que deflagraram em Pedrógão Grande.

"Há falhas que são já conhecidas e devem ter já resposta. As comunicações falharam e é necessário que agora o Governo possa dizer como é que estão a ser resolvidas", exigiu a deputada do BE, que tem defendido medidas de curto prazo.

No entanto, Costa não deixou a garantia de que não haja mais incêndios este Verão. "Há uma coisa de que podemos estar certos: vai haver incêndios". 

Também o PCP pediu medidas que evitem o que se passou com a tragédia de Pedrogão Grande - Jerónimo de Sousa apresentou terça-feira 38 medidas para o pacote da floresta - e Costa disse esperar que durante o debate na especialidade da reforma da floresta os comunistas apresentem propostas. 

"Grande parte das medidas nem sequer precisam de legislação, precisam é de meios financeiros. Algumas, meios muito avultados, que terão de ter incidência no Orçamento do Estado, já este ano e em 2018. Importa saber se o Governo está disponível para acudir à floresta portuguesa como se fosse um banco a precisar de resgate", questionou Jerónimo de Sousa, citado pela Lusa.

O primeiro-ministro voltou a defender a necessidade de estancar o crescimento da área de eucaliptos em Portugal e a reinstalação de eucaliptos do interior para o litoral, onde podem ser mais produtivos e fazerem uma floresta mais segura.

Já no fim do debate, em resposta ao Partido Pessoas Animais e Natureza (PAN), Costa revelou que "este ano já foram levantados o dobro dos autos do que no ano passado" relativamente à limpeza de terrenos, que é fiscalizada pela Guarda Nacional Republicada, mas não avançou dados.

Além disso, admitiu rever o contrato do SIRESP, se for caso disso. "Se for necessário revê-lo será feito", disse Costa, em resposta a Heloísa Apolónia que pediu a revisão do contrato do SIRESP. 

 

(Notícia actualizada às 17:20 com mais declarações)



A sua opinião20
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas

O dinheiro não é dele... Se fosse dele, em vez de ser nosso, preocupava-se mais em que o Estado não falhasse, para não ter de pagar indemnizações...

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Penso que toda a gente minimamente seria, Independente da Partidarite, reprova a insensibilidade para com as mortes e sentimentos das Famílias, com que o PSD e Passos Coelho CDS tem explorado Politicamente a situação sem nenhum Pudor, nenhuma ética, descaramento deplorável.

Do Piçalho Há 3 semanas

" que passou-se" disse o outro primeiro ministro para o Nahga general . E agora vem este primeiro dar o que é dele ....é caso para perguntar "que passou-se " para um politico dar o que é dele !

Camponio da beira Há 3 semanas

O estado/governo rodeou-se de corruptos e incompetentes, e portanto tem que assumir as responsabilidades e punir severamente a escumalha.

Criador de Touros Há 3 semanas

Governo criminoso que mandou para a morte 64 portugueses: organização do mortífero evento da responsabilidade da geringonça de António Costa !!...

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub