Economia Costa assume compromisso para que relações com Presidente "sejam tão boas, tão ricas e favoráveis" como têm sido

Costa assume compromisso para que relações com Presidente "sejam tão boas, tão ricas e favoráveis" como têm sido

O primeiro-ministro, em entrevista à TVI, assume que não ponderou demitir-se, mas admite que houve um subestimar das circunstâncias que levaram aos incêndios de Outubro. Não comenta o discurso de Marcelo que tem sido referido como o que motivou a demissão da ministra da Administração Interna.
Costa assume compromisso para que relações com Presidente "sejam tão boas, tão ricas e favoráveis" como têm sido
Alexandra Machado 29 de outubro de 2017 às 21:16
Dizendo que o primeiro-ministro não faz análise nem comentário político, António Costa afastou, em entrevista à TVI, qualquer crispação com o Presidente, Marcelo Rebelo de Sousa.

"Da minha parte não há crispação", assumiu à TVI, não comentando a declaração de Marcelo Rebelo de Sousa na semana dos incêndios. "As minhas conversas com o Presidente da República são entre nós e não são para ser tornadas públicas nem agora nem em futuro livro de memórias".

Acredita que o país tem apreciado a excelente relação institucional entre ambos. António Costa lembrou que já teve relacionamento com dois Presidentes, dizendo mesmo que apesar das dúvidas de Cavaco Silva acabou por ter excelente relação com o anterior Presidente, falou mesmo em relação "impecável".


Agora, em relação a Marcelo Rebelo de Sousa assume que "estamos totalmente empenhados em manter esse nível cooperação. E não me passa pela cabeça que não exista essa ideia do actual Presidente".

Voltou a recusar comentar o discurso de Marcelo Rebelo de Sousa: "Um dos bons contributos que devo dar é não comentar a actividade do Presidente. Não me compete a mim fazer, não irei fazê-lo".

"Ao cidadão o que interessa é que o primeiro-ministro tenha com o Presidenteuma relação franca, leal e seria uma enorme perda que fosse prejudicada", reforçando que "enquanto primeiro-ministro o que digo é com o actual presidente, com o anterior, com o futuro terei sempre essa relação de lealdade". Assume, mesmo, que "o compromisso que tenho é tudo fazer para que relações sejam tão boas, tão ricas e favoráveis a um bom entendimento institucional como temos tido ao longo dos últimos dois anos".

António Costa não respondeu quando questionado se a ministra da Administração Interna manter-se-ia em funções se Marcelo Rebelo de Sousa não tivesse feito o discurso duro que fez no dia anterior a ter-se ficado a conhecer a demissão de Constança Urbano de Sousa. 

"Não vou responder" se ela continuaria em funções. "Não é o tema relevante hoje em dia", depois de o governo ter sido "reconstituído e reconfirmado no exercício das suas funções".


O primeiro-ministro não considerou a sua própria demissão, mas agora assume que hoje "é manifesto que houve subestimação dos riscos da primeira quinzena de Outubro, houve seguramente carência de meios. Ouvindo a população bombeiros, autarcas todos temos bem noção da excepcionalidade que aconteceu no dia 15 de Outubro", mas "obviamente houve subestimação", mas "tivemos fenómenos de projecção e força dos ventos devastadores. Todos os meios teriam sido insuficientes".

Quanto ao impacto no défice das despesas com a recuperação por causa dos incêndios, António Costa mostrou convencido de que não irá contar para penalizar esse indicador, porque há regras que permitem o tratamento diferenciado de medidas desta natureza excepcional. Mas, acrescentou, "a última das preocupações que temos de ter neste momento é saber o seu peso para défice. Não podemos abandonar o objectivo ter contas publicas sãs, mas em nome do défice ou com essa obsessão não podemos deixar de fazer o que é necessário fazer".

(notícia actualizada com mais declarações)




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

O SR PRESIDENTE DA REPÚBLICA PARECE TER-SE ESQUECIDO DOS MORTOS DO FUNCHAL QUE FICARAM DEBAIXO DAS ÁRVORES.
SERÁ QUE A IGREJA TEM ALGUMAS CULPAS NO CARTÓRIO?'

comentários mais recentes
pertinaz Há 2 semanas

ESTÃO BEM UM PARA O OUTRO...!!!

Anónimo Há 2 semanas

O SR PRESIDENTE DA REPÚBLICA PARECE TER-SE ESQUECIDO DOS MORTOS DO FUNCHAL QUE FICARAM DEBAIXO DAS ÁRVORES.
SERÁ QUE A IGREJA TEM ALGUMAS CULPAS NO CARTÓRIO?'

Anónimo Há 2 semanas

o sr presidente da república

MARCELO NÃO OLHA A MEIOS PARA ATINGIR OS FINS Há 2 semanas

MARCELO poderá enganar os mais incautos, utilizando processos rasteiros, popularuchos e com lamechices nada próprios do perfil de um PRESIDENTE DA REPÚBLICA
É lamentável o q vemos em MARCELO, utilizando o seu múnus, de um modo encapotado, para desígnios políticos próprios inconfessáveis, a prazo.

ver mais comentários
pub