Finanças Públicas Costa chumba Ter-Minassian e Vitório no Conselho das Finanças Públicas

Costa chumba Ter-Minassian e Vitório no Conselho das Finanças Públicas

Os nomes propostos pelo Banco de Portugal e Tribunal de Contas foram chumbados. Já se sabia que o Executivo não concordava com Luís Vitório no órgão fiscalizador. A decisão de chumbo está tomada e inclui também a ex-economista do FMI.
Costa chumba Ter-Minassian e Vitório no Conselho das Finanças Públicas
Bruno Simão/Negócios

O governo chumbou os dois nomes propostos por Carlos Costa e Vítor Caldeira para o Conselho das Finanças Públicas, a instituição liderada por Teodora Cardoso que fiscaliza a gestão orçamental. A decisão surge num momento de tensão entre o Executivo e o Banco de Portugal e o Conselho das Finanças Públicas, instituições que têm merecido repetidas críticas, também por parte dos três partidos que apoiam o Governo.

A informação foi confirmada pelo Negócios junto de várias fontes. Contactados, Governo, Tribunal de Contas e Banco de Portugal não comentaram.
 
O Expresso avançou a 18 de Fevereiro que o governo não concordava, pelo menos, com a escolha de Luís Vitório para o Conselho das Finanças Públicas, com o argumento de que o ex-chefe de gabinete de Paulo Macedo no ministério da Saúde não era um macroeconomista. Luís Vitório também foi chefe de gabinete de Amaral Tomaz, ex-secretário de Estado do Fisco.

O governo acabou por chumbar não só Vitório, mas também Teresa Ter-Minassian, a ex-economista do FMI que liderou a missão do Fundo no segundo resgate a Portugal no início dos anos 80, e que liderou o Departamento de Assuntos Orçamentais (cargo agora ocupado por Vítor Gaspar em Washington) entre 2001 e 2008.

De acordo com os estatutos do Conselho das Finanças Públicas, os membros do organismo fiscalizador da gestão orçamental "são nomeados pelo Conselho de Ministros, sob proposta conjunta do Presidente do Tribunal de Contas [Vítor Caldeira] e do Governador do Banco de Portugal [Carlos Costa]".

Os dois nomes surgiram pela primeira vez na imprensa no início de Janeiro, avançados pelo jornal Eco, ainda sem confirmação por parte do Governo. As posições não terão sido concertadas, percebe-se agora. Os mandatos de Jurgen von Hagen (vice-presidente) e Rui Baleiras (vogal executivo) terminaram em Fevereiro.

O chumbo é conhecido num momento de relações tensas entre o Governo e o Banco de Portugal, com implicações nas nomeações que têm de ser feitas para a administração o banco central – e que também exigem acordo das duas partes, que não tem sido possível – e dias depois de críticas duras do Primeiro-ministro ao desempenho do CFP.

Após Teodora Cardoso ter afirmado que, "até certo ponto" o resultado orçamental de 2016 (um défice orçamental de 2,1% do PIB) foi "um milagre", António Costa acusou o o CFP de "monumental falhanço" nas suas previsões. 

Teodora Cardoso tem criticado a estratégia económica do Governo suportado por PS, Bloco de Esquerda e PCP, tendo mostrado um "cartão vermelho" em Setembro, tanto na frente económica como orçamental. Em Janeiro, o CFP considerou que a meta de défice de 2016 do Executivo poderia ser atingida graças a uma mudança de estratégia orçamental. Antes, o conselho já tinha dado conta de uma mudança de estratégia vertida no orçamento para este ano.




A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
É facil de perceber que psd/cds tentam minar 26.04.2017

o aparelho de estado através de nomeações recomendadas por aqueles que continuam a deturpar os êxitos do governo. Os escolhidos são gente ligadas a VG e TC. que despudoradamente distorcem com argumentos "infantis" aquilo que a própria aceita como válido. É a mesma UE, que o psd se submeteu.

Anónimo 13.03.2017

Depois de terem metido os boys e girls em todos os lugares chave, já só falta o Banco de Portugal e este Conselho das Finanças Publicas para controlarem tudo o que emite estatisticas e dados. Vivemos numa ditadura xu xa/comuna/trotskista!!!! Avante camaradas!!! Rumo ao abismo!!!

Anónimo 13.03.2017

A dra. Teodora fez birrapor não lhen porem a velha amiga Ter Menassien no Conselho F-Publicas. Ter Menassien tem tb amigos na admnistração do Banco de Portugal, ex-poiso da Dra. Teodora.

pertinaz 11.03.2017

NÃO ADMIRA ... GENTE COMPETENTE, IDÓNEA E INDEPENDENTE SÃO UMA AMEAÇA PARA ESTA ESCUMALHA QUE DESGOVERNA PORTUGAL ... !!!

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub