Política Costa dá confiança política ao ministro da Defesa

Costa dá confiança política ao ministro da Defesa

O primeiro-ministro manifestou esta terça-feira toda a confiança política no ministro da Defesa e "total solidariedade" com o chefe de Estado-Maior do Exército (CEME) na sequência do roubo de material militar nas instalações de Tancos.
A carregar o vídeo ...
Lusa 11 de julho de 2017 às 20:56

António Costa falava aos jornalistas em São Bento no final de uma reunião de duas horas e 20 minutos sobre segurança em instalações militares com o chefe do Estado Maior General das Forças Armadas (Artur Pina Monteiro), com os chefes dos três ramos militares, Exército (Rovisco Duarte), Armada (Silva Ribeiro) e Força Aérea (Manuel Teixeira Rolo), e com o ministro da Defesa, Azeredo Lopes.

 

Uma reunião que aconteceu depois de a 29 de Junho o Exército ter anunciado que foram furtados dos Paióis Nacionais de Tancos, concelho de Vila Nova da Barquinha, granadas de mão, granadas anticarro e explosivos.

 

Interrogado se mantém a confiança política no seu ministro da Defesa, António Costa respondeu que "tem toda a confiança do primeiro-ministro para o exercício das suas funções". "[Azeredo Lopes] exerceu as suas funções como é função do senhor ministro da Defesa", disse, referindo-se depois ao Chefe do Estado-Maior do Exército (CEME), general Rovisco Duarte.

 

"Agradeço a hombridade com que as Forças Armadas, e em particular o CEME, assumiram as responsabilidades relativamente a esta matéria. Quero manifestar a total solidariedade com o CEME e a forma como tem exercido o seu comando e o continuará a exercer", acentuou o primeiro-ministro.

 

Perante os jornalistas, o primeiro-ministro elogiou também o papel das Forças Armadas no combate aos incêndios florestais e no apoio às populações atingidas. "Os portugueses devem respeitar e admirar as suas Forças Armadas", disse.

 

A Procuradoria-Geral da República anunciou na semana passada que abriu um inquérito ao caso do furto de Tancos, por suspeitas da prática dos crimes de associação criminosa, tráfico de armas internacional e terrorismo internacional.

 

No Exército decorrem averiguações internas e o ministro da Defesa Nacional, que afirmou desconhecer problemas de insegurança naquela base militar, determinou uma inspecção extraordinária às condições de segurança dos paióis. Na sequência deste caso, o Presidente da República exigiu o apuramento total dos factos ocorridos e o CDS-PP pediu a demissão do ministro Azeredo Lopes.

 




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Ahahaahhaaahhhaahhh! 12.07.2017

Estes ilusionistas adoram fazer dos tugas uns Mentecaptos! O povinho tuga tem aquilo que merece! É realmente um povinho muita Burrinho!

Joao Guimaraes 12.07.2017

Normalmente os palhaços fazem-me rir. Neste caso meteram-me dó! isto é o país que merecemos. Um povo que acredita na banha de cobra, que vê, lê e ouve falar de futebol o tempo todo não merece muito mais...

Judas a cagar no deserto 11.07.2017

Afinal o Governo anunciou que o material roubado estava quase todo em final de prazo validade, pelo que podemos concluir que afinal os ladrões nos fizeram um favor, né ?

Vergonha.

oluapaxe 11.07.2017

O costa com esta explicação acabou de entalar o PR. Vamos reunir um concelho de estado para debater a segurança das armas absoletas que não fazem mal a ninguém, isto é uma risota geral! gostava de ver a cara do PR que grande melão!!! :) Este sim é o verdadeiro artista!!!!

ver mais comentários
pub