Economia Costa defende que porto de Sines pode ser plataforma para exportações chilenas

Costa defende que porto de Sines pode ser plataforma para exportações chilenas

O primeiro-ministro defendeu que o porto de Sines pode ser a plataforma logística das exportações chilenas para os mercados europeu e norte de África, salientando também que há 400 empresas portuguesas a exportarem para o Chile.
Costa defende que porto de Sines pode ser plataforma para exportações chilenas
Reuters
Lusa 14 de junho de 2017 às 21:39

António Costa abordou esta quarta-feira a questão das relações económicas entre Portugal e o Chile após ter estado reunido com a presidente chilena, Michelle Bachelet, no Palácio La Moneda, em Santiago.

 

O primeiro-ministro, tendo a chefe de Estado chilena ao seu lado, começou por salientar o facto de o Chile ser hoje o terceiro cliente de Portugal na América do Sul.

 

"Queremos reforçar cada vez mais as relações entre os nossos países. É importante que o Chile veja Portugal como uma porta de entrada na União Europeia. Desde logo, dispomos de um porto de excelente qualidade para poder ser a plataforma logística das exportações chilenas para a Europa e também para a África", afirmou o líder do Executivo português.

 

António Costa referiu-se também à existência de "uma dinâmica empresarial entre os dois países, como é o caso das 'startups' de Portugal e no Chile".

 

"É preciso uma nova geração de relacionamento entre os dois países. Há hoje mais de 400 empresas portuguesas a exportar para o Chile e há muitas outras nacionais sediadas no Chile", apontou.

 

Por sua vez, de acordo com o primeiro-ministro, no que diz respeito às indústrias do mar e da gestão florestal, "Portugal oferece muito boas condições para o investimento de empresas chilenas".


A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

As reformas pararam e o despesismo com salários injustificáveis e futuras pensões disparou, iniciando a contagem decrescente para o próximo resgate à República. O engano ou ilusão que se viveu entre 2005 e 2010 está a ser minuciosamente replicado pelo novo governo socialista. Não tenhamos dúvidas disto. Portugal julga-se imune à quarta revolução industrial e mais uma vez opta por não participar nela ou não se adaptar a ela julgando ser possível viver como economia de elevado rendimento usando o paradigma do funcionalismo público excedentário alavancado pelo crédito bancário e tendo uma fé inabalável no turismo.

comentários mais recentes
Só estrume Há 1 semana

Macaco é o teu paizinho seu ordinário

OH f Há 1 semana

Emigra pá

Anónimo Há 1 semana

O rating da dívida pública portuguesa é muito preocupante e continuará a sê-lo enquanto os governantes não se convencerem que as reformas laborais, fiscais, administrativas, de fomento à inovação com vista à exportação orientada para as necessidades do mercado global, são para se fazerem na íntegra e sem mais rodeios. Tal como as economias e sociedades mais prósperas e avançadas do mundo têm vindo a fazer.

f Há 1 semana

agora o que se vê por tudo qanto é sítio é trampa desta por todo o lado.este tipo da foto com tiques de macaco ainda não chegou à triste conclusão que a maioria do povo português gosta muito dele mas é à distancia?antes do 25 tivemos a ditadura e hoje para chegar ao poleiro deu o golpe ao ASeguro

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub