Automóvel Costa: Estabilidade na Autoeuropa é "da maior importância" para o crescimento do país

Costa: Estabilidade na Autoeuropa é "da maior importância" para o crescimento do país

O chefe de Governo afirmou esta quinta-feira, um dia depois da greve na Autoeuropa, que o construtor automóvel de Palmela tem sido "um excelente exemplo de diálogo social".
Costa: Estabilidade na Autoeuropa é "da maior importância" para o crescimento do país
Miguel Baltazar
Lusa 31 de agosto de 2017 às 15:44
O primeiro-ministro, António Costa, afirmou hoje que a estabilidade na Autoeuropa é importante para a produção de um novo veículo, defendendo que a empresa é "da maior importância" para o crescimento económico do país.

Referindo aos jornalistas que não deve interferir no processo negocial que está a decorrer na empresa, António Costa sublinhou que "é inequívoco que é da maior importância para o país" a actividade da Autoeuropa.

Para o primeiro-ministro, que falava na Póvoa de Varzim à margem da visita da AgroSemana - Feira Agrícola do Norte, a Autoeuropa tem sido "um excelente exemplo de diálogo social", sendo neste momento importante garantir a produção do novo veículo que substituirá o modelo Sharan, cuja produção será descontinuada.

Os trabalhadores da Autoeuropa regressaram hoje ao trabalho, depois da greve histórica de quarta-feira contra a obrigatoriedade de trabalharem ao sábado, a primeira paralisação por razões laborais desde que a empresa iniciou a actividade há cerca de 27 anos.

Os sindicatos mais representativos na Autoeuropa fizeram hoje um "balanço positivo" da paralisação e recusam entrar "em guerras de números" sobre a adesão à greve.

Apesar da greve, administração, trabalhadores e sindicatos reafirmaram a convicção de que continua a ser possível um acordo para a implementação dos novos horários de laboração contínua, designadamente no que respeita ao trabalho aos sábados.

O trabalho aos sábados esteve na origem da paralisação e levou à demissão da actual Comissão de Trabalhadores após a rejeição, pelos trabalhadores, do pré-acordo que tinha negociado com a empresa.

De acordo com o novo modelo de horários que deveria ser implementado a partir de Novembro, cada trabalhador iria rodar nos turnos da manhã e da tarde durante seis semanas e faria o turno da madrugada durante três semanas consecutivas, com uma folga fixa ao domingo e uma folga rotativa nos outros dias da semana.

A administração da Autoeuropa promete ouvir os sindicatos no próximo dia 7 de Setembro.



A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Fernando 31.08.2017

Agora faz este papel, foi ele que os pôs à briga, claro que se trata de uma disputa entre o PCP e o Bloco para ver quem tem mais poder dentro da empresa. E tudo o que nós precisamos é de gente que produz greves.

comentários mais recentes
Anónimo 02.09.2017

Os sindicatos na Alemanha e restante mundo livre, rico e desenvolvido não capturam a criação de valor e por isso a Alemanha é sede para tanto colosso empresarial, o seu Estado é sustentável e a população goza de elevado nível de vida e igualdade de oportunidades. "As part of its so-called "Future Pact" designed to boost productivity by 25 percent over four years, the VW brand is eliminating 23,000 jobs by 2020 in Germany." http://europe.autonews.com/article/20170510/ANE/170519998/how-vw-plans-to-achieve-job-cuts-in-germany

Anónimo 02.09.2017

Se os automóveis produzidos na unidade industrial podem vir a sofrer uma redução de 33 ou mais por cento no seu preço por via da aplicação de tecnologia da área da automação e robótica industrial, obviamente que eu enquanto consumidor de automóveis quero usufruir o quanto antes dessa redução de preço. Se por acréscimo, enquanto accionista, posso obter sob a forma de dividendos e potenciais mais-valias um excelente retorno sobre o investimento em acções dessas empresas que desenvolvem e fabricam sistemas de automação e robótica industrial, não restam dúvidas de que o sindicalismo defensor do excedentarismo, a par com a corrupção, a escravatura e o genocídio, é um mal que deve ser extirpado das economias e sociedades sem qualquer hesitação.

Não vale tudo 31.08.2017

Se querem explorar peguem na fábrica e a andar daqui Aos fascistas que não gostam de sindicatos RUA estão no país errado

Igual, só na feira. 31.08.2017

Babush diz assim, parem com a merd@ da greve. Pois é, não convém porque, isso retira-te votos. Não saímos do eterno xuxalismo de conveniências.

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub