Zona Euro Costa e Tsipras juntos contra a austeridade na Europa

Costa e Tsipras juntos contra a austeridade na Europa

Os primeiros-ministros da Grécia e de Portugal assinaram esta segunda-feira uma declaração conjunta em que prometem cooperar, sobretudo na resposta à crise migratória, e criticam as consequências das políticas de austeridade na União Europeia.
Costa e Tsipras juntos contra a austeridade na Europa
Reuters
Lusa 11 de abril de 2016 às 11:26

A declaração conjunta foi distribuída aos jornalistas após o encontro entre Alexis Tsipras e António Costa, que antes também esteve reunido com o chefe de Estado grego, Prokopis Pavlopoulos, no primeiro ponto do seu programa de visita oficial à Grécia.

No documento, Alexis Tsipras e António Costa consideram que as políticas de austeridade adoptadas contribuíram para "deprimir as economias e dividir as sociedades" nos Estados-membros da União Europeia onde foram aplicadas.

Os dois chefes de Governo defendem ainda que a austeridade gerou "altos níveis de desemprego" e de "pobreza". "Com o crescimento da desigualdade social e da pobreza, os nossos países e a Europa enfrentam um longo período de estagnação económica", lê-se no documento, que pode ser descarregado nesta ligação.

Tanto Tsipras, como Costa, "como primeiros-ministros de dois países com uma experiência similar em relação aos respectivos programas de ajustamento, partilham a convicção de que a exclusividade das políticas de austeridade estão erradas e são insuficientes para promover as mudanças necessárias ".

"Seis anos após o primeiro resgate, podemos confirmar que a austeridade, aplicada isoladamente, falhou nos seus objectivos e provocou um impacto social e económico que foi mais longe do que o inicialmente antecipado. Estas políticas têm de ser revistas", sublinham os primeiros-ministros de Portugal e da Grécia.

cotacao Seis anos após o primeiro resgate, podemos confirmar que a austeridade, aplicada isoladamente, falhou nos seus objectivos e provocou um impacto social e económico que foi mais longe do que o inicialmente antecipado. Estas políticas têm de ser revistas. comunicado conjunto de antónio costa e alexis tsipras

Em relação ao fenómeno dos refugiados, Tsipras e Costa salientam na declaração conjunta que a Europa enfrenta um "enorme desafio" desde o ano passado, importando combater as "causas" deste fenómeno. "Neste contexto, Grécia e Portugal vão cooperar para fazer com que a União Europeia dê os passos necessários para a efectivação de uma política migratória efectiva nas suas fronteiras externas", refere-se na declaração conjunta.

Tsipras e Costa, pelo contrário, deixam uma crítica às concepções favoráveis à construção de "muros" e "barreiras", unilateralmente, por parte de países europeus.


Os primeiros-ministros de Portugal e da Grécia defendem antes que a Europa assuma uma política "solidária" e "humana" na gestão dos fluxos migratórios, devendo manter-se aberta aos cidadãos que a procuram e precisam de protecção internacional, substituindo "as perigosas rotas irregulares de migração" por vias legais de acolhimento a pessoas que fogem de zonas em conflito militar, caso especial da Síria.


Além da importância de acelerar os processos de recolocação de refugiados que chegam à Grécia e à Itália, Tsipras e Costa referem-se também ao fenómeno da emigração económica, defendendo que a União Europeia, "ao mesmo tempo, encete esforços para estabilizar os acordos de readmissão com os países de origem".


No mesmo documento, os dois primeiros-ministros condenam o terrorismo e mostram-se disponíveis para cooperar ao nível de uma política externa de segurança comum.


Costa e Tsipras manifestam "preocupação" com a situação no Afeganistão, dão apoio aos acordos de Minsk para a resolução da crise na Ucrânia, assim como a um processo negocial, supervisionado pelas Nações Unidas, para uma solução para Chipre que respeite a lei internacional e cumpra os princípios democráticos, "respeitando os direitos humanos e a liberdade de expressão de todos os cipriotas" - uma alusão à parte de Chipre sob ocupação turca.

(Notícia actualizada às 11:51)




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Rapaz 11.04.2016

Como previa, a venda foi efetuada trocando a posição BFA pelo BPI. Foi um ( excelente ) bom negócio para Isabel dos Santos e um péssimo negócio para o BPI que agora, está totalmente dependente do mercado interno que dá prejuízo! Estes banqueiros Portugueses (Líderes) são do mais boçal e incompetente que existe, onde o seu critério único é espoliar o contribuinte com ajudas estatais dissimuladas. Só são banqueiros ( Líderes ) por herança, caso contrário nem para serventes de pedreiro serviam ! A estória do Costa, para criar um mecanismo ( Veículo eh eh eh ) de engenharia financeira ( roubo aos porquinhos mealheiros ( CONTRIBUINTES)) para livrar os bancos do crédito mal parado, presente e futuro, é reflexo de uma agenda escondida entre o primeiro ilegítimo e o presidente para limpar a banca á custa de todos nós. Os banqueiros privados espreitam a OPORTUNIDADE para lavar as suas incompetências e seus roubos! Estejam atentos aos bancos e seus depósitos!

comentários mais recentes
Anónimo 11.04.2016

devem estar a dizer:

"Vamos jantar? A UE paga"

tanta irresponsabilidade socialista 11.04.2016


Contra a Austeridade?


Gastar mais e mais divida?


E quando falirmos, como vão ser os próximos 15 anos?

Como é? 11.04.2016

Quem paga o fim da austeridade? Costa no governo Sócrates deu-nos a austeridade; Costa nº1 tira a austeridade?

ESKAFIAS 11.04.2016

Que fomentem o descontentamentos dos POVOS, para inverter a situação excessiva de Austeridade, Corrupção, Roubo, etc, em que os Maçons, Politicos e Empresários de Gestão Danosa, têm encaminhado a EUROPA!!!...
Já se verificou que o que se fez em prol da Unidade, para uma U.E., não tem dado os frutos esperados e daí, ter que haver alternativas para que os Paises mas ricos deixem de explorar os Paises mais pobres, porque TODOS fazem a EUROPA!!!
Quem te medo compra um cão e estes, sem medo, têm que vender o cão que lhe foi dado enraivecido e envenenamento!!!... FORÇA, porque senão, ficamos cada vez mais gregos para nos vermos livres dos JE SUIS da treta!!!...

ver mais comentários
pub