Economia Costa: “Espanha apoiou Guterres e Centeno. Guindos contará com o apoio” de Portugal

Costa: “Espanha apoiou Guterres e Centeno. Guindos contará com o apoio” de Portugal

Numa entrevista ao ABC, o primeiro-ministro português destacou a relação próxima com Mariano Rajoy e garantiu que Portugal vai apoiar a candidatura de Guindos à vice-presidência do BCE.
Costa: “Espanha apoiou Guterres e Centeno. Guindos contará com o apoio” de Portugal
Lusa
Rita Faria 11 de fevereiro de 2018 às 17:39

O primeiro-ministro António Costa garantiu, em entrevista ao jornal espanhol ABC deste domingo, que Portugal apoiará a candidatura de Luis de Guindos à vice-presidência do Banco Central Europeu (BCE), tal como Espanha apoiou António Guterres, na ONU, e Mário Centeno, para a posição de presidente do Eurogrupo.

 

"Rajoy e eu construímos uma relação muito próxima, porque temos pontos de vista coincidentes sobre o presente e o futuro da Europa. E ajudámo-nos muito nas candidaturas uns dos outros. Espanha apoiou António Guterres e Mário Centeno, e Luis de Guindos contará com o apoio do governo português. Esta cumplicidade é muito forte entre nós", assegurou António Costa.

 

A garantia do chefe do governo português é dada poucos dias depois de fonte do seu gabinete ter adiantado que Costa já havia reiterado a Mariano Rajoy o apoio de Portugal a uma candidatura do actual ministro da Economia de Espanha à vice-presidência do BCE, para substituir o português Vítor Constâncio, que termina o mandato no final de Maio.

 

O prazo para os países da Zona Euro apresentarem candidatos ao cargo termina na quarta-feira, sendo que Espanha e Irlanda já anunciaram que vão entrar na corrida.

 

Na mesma entrevista, questionado sobre a situação da Catalunha, António Costa preferiu não se alongar nos comentários, dizendo apenas que se trata de "uma questão interna" que espera "que acabe bem".

 

"Espanha é um país central na Europa e a sua estabilidade é fundamental para toda a Europa. O mais importante é o respeito pelo Estado de Direito. Trata-se de uma questão interna de Espanha e queremos que acabe bem", comentou o primeiro-ministro português.

 

António Costa falou ainda da sua relação com o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lembrando que o chefe de Estado foi seu professor e sempre mantiveram uma boa relação ao longo dos anos.

 

"A tradição portuguesa é que exista uma boa relação institucional, mas é uma grande vantagem para o país a capacidade que temos de trabalhar juntos. Um presidente eleito pela direita e um primeiro-ministro eleito pela esquerda, com uma grande relação pessoal e de trabalho, que compreendem e respeitam o país", sintetizou.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Judas a cagar no deserto 11.02.2018

Lembram-se de um tal José Sócrates ?

O tal que pediu 78.000.000.000 eur à Troika.

Lembram-se de um tal José Sócrates ?

O tal que pediu 78.000.000.000 eur à Troika.

Lembram-se de um tal José Sócrates ?

O tal que pediu 78.000.000.000 eur à Troika.

General Ciresp 11.02.2018

Ainda era de perguntar a jarra e ao canhoto de pena na nuca se ele estao em linha com o gana(po)hostil d.branca.Se nao tem trabalho,o mar esta repletissimo de plasticos,mas ha obra.

pub